Destaques da Bolsa: Petrobras (PETR3) recua 7%; companhias aéreas despencam

Confira os destaques desta segunda-feira (7)
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

O Ibovespa fechou em queda, nesta segunda-feira (7), na mesma direção das bolsas internacionais, devido à guerra na Ucrânia.

O Ibovespa, principal índice da bolsa brasileira, fechou em baixa de 2,52%, cotado a 111.593,46 pontos.

As ações da Petrobras (PETR3;PETR4) fecharam em queda de 7,66% e 7,10%, respectivamente, mesmo com o avanço do petróleo. 

Com a alta do minério de ferro, Vale (VALE3) subiu 3,04%, ficando entre as maiores altas do índice.

O papel da Embraer (EMBR3) teve queda de 6,76%. A companhia anunciou que lançará versões de carga de seus E-Jets.

As empresas de viagem e turismo foram as maiores quedas do Ibovespa: Azul (AZUL4) despencou 18%, Gol (GOLL4) teve perdas de 17,36% e CVC (CVCB3) caiu 10,49%. As companhias são prejudicadas pelos conflitos entre Rússia e Ucrânia. 

Confira os destaques desta segunda-feira:

Embraer (EMBR3)

A fabricante de aeronaves Embraer disse nesta segunda-feira que lançará versões cargueiros de suas aeronaves E-Jets, que serão chamadas de E190F e E195F, com o objetivo de atender à crescente demanda das operadoras de comércio eletrônico.

A empresa disse, em comunicado, que os novos jatos devem entrar em serviço no início de 2024, acrescentando que vê um mercado potencial para aeronaves dessa dimensão de cerca de 700 unidades em 20 anos.

Gol (GOLL4) 

A demanda total por voos da Gol cresceu 35% em fevereiro ante o mesmo período de 2021, enquanto a oferta apontou expansão de 35,8%, disse a companhia aérea em comunicado ao mercado nesta segunda-feira.

A taxa de ocupação registrada pela Gol no mês foi de 80,3%, 0,5 ponto percentual abaixo do número obtido um ano antes, de 80,8%.

Santander (SANB11) 

O Santander condenou a invasão da Ucrânia pela Rússia e afirmou, por meio de comunicado, que não fará novos negócios com empresas russas, ampliando o coro do setor financeiro ocidental contra Moscou. Sem presença na Rússia, o banco espanhol disse que praticamente não possui exposição direta aos países envolvidos no conflito.

Conforme comunicado, publicado na manhã desta segunda-feira, o Santander afirmou ainda que está em “contato permanente” com as autoridades, principalmente as europeias, e cumprindo as sanções internacionais contra a Rússia. Desde o início do conflito, o sistema financeiro ocidental adotou diversas sanções contra Moscou, em retaliação à guerra.

“O Santander condena a invasão e se solidariza com os cidadãos da Ucrânia. Ajudar na crise humanitária é a principal prioridade do banco”, enfatizou o conglomerado espanhol, no comunicado.

JHSF (JHSF3)

A incorporadora JHSF informou nesta segunda-feira a compra de 51% de uma sociedade detentora de aproximadamente 5,7 milhões de metros quadrados em Bragança Paulista, no interior de São Paulo.

O valor de aquisição é de até 177 milhões de reais e será pago pela JHSF ao longo dos próximos 4 a 5 anos, disse a empresa em comunicado ao mercado.

A companhia estima que o VGV (valor geral de vendas) do empreendimento alcance 6,1 bilhões de reais.

A JHSF disse que a transação é parte de sua estratégia de longo prazo de adquirir grandes terrenos para o desenvolvimento de projetos residenciais de alto padrão.

A operação será desenvolvida em conjunto com os proprietários anteriores da área, que detêm os demais 49% da sociedade, segundo a companhia.

Com Reuters e Estadão Conteúdo

Se inscreva no nosso canal e acompanhe a programação ao vivo.

Compartilhe:
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Matérias relacionadas