Câmara dos Deputados dos EUA aprova projeto com US$ 13,6 bi em ajuda à Ucrânia

A ajuda à Ucrânia incluiu US$ 6,5 bilhões para os custos dos EUA de enviar tropas e armas para a Europa Oriental e equipar as forças aliadas em resposta à invasão do presidente russo Vladimir Putin

A Câmara dos Deputados dos Estados Unidos aprovou, nesta quarta-feira, 10, um projeto de lei de US$ 1,5 trilhão que forneceria US$ 13,6 bilhões em ajuda emergencial à Ucrânia, além de financiar o governo federal até 30 de setembro. O documento seguirá para o Senado, que tem até meia-noite de sexta-feira, dia 12, para decisão final.

A ajuda à Ucrânia incluiu US$ 6,5 bilhões para os custos dos EUA de enviar tropas e armas para a Europa Oriental e equipar as forças aliadas em resposta à invasão do presidente russo Vladimir Putin e repetidas ameaças belicosas.

Havia outros US$ 6,8 bilhões para cuidar de refugiados e fornecer auxílio econômico a aliados, ajudar agências federais a aplicar sanções econômicas contra a Rússia, e proteger contra ameaças cibernéticas em casa. O presidente Joe Biden havia solicitado US$ 10 bilhões pelo pacote.

A presidente da Câmara, Nancy Pelosi, indicou que os US$ 13,6 bilhões provavelmente serão apenas a ponta de um esforço de apoio muito mais amplo. “Todos nós teremos que fazer mais para ajudar a Ucrânia nas próximas semanas ou meses e no longo prazo para ajudar na reconstrução”, disse em entrevista coletiva.

Ela estava se referindo principalmente aos Estados Unidos e seus aliados da Otan. A aprovação do projeto de lei ocorreu após uma revolta dos próprios democratas de Pelosi, que se opuseram a uma iniciativa de ajuda covid-19 de US$ 15,6 bilhões devido à maneira como ela distribuiria dinheiro para Estados individuais.

Após horas de atraso, Pelosi excluiu a provisão para abrir caminho para a rápida passagem do dinheiro da Ucrânia e do recursos de US$ 1,5 trilhão em financiamento federal. Os democratas esperam revisitar a ajuda da covid-19 na próxima semana em uma legislação separada.

Os republicanos também aplaudiram a medida – uma rara demonstração de bipartidarismo no Congresso profundamente dividido. “Devemos levar este projeto de lei à Mesa do presidente o mais rápido possível para responder a esses atos de agressão”, disse Ken Calvert, o principal republicano do subcomitê de defesa do painel de apropriações.

Ele estava se referindo à invasão da Ucrânia pela Rússia e especificamente ao bombardeio de uma maternidade na quarta-feira. O fracasso, acrescentou, “sem dúvida demonstraria fraqueza em escala global”.

Importações de petróleo

A Câmara também aprovou por maioria esmagadora uma legislação que proibiria as importações de petróleo russo para os Estados Unidos, um esforço para colocar em lei as restrições anunciadas pelo presidente Joe Biden em resposta à escalada da guerra na Ucrânia.

Indo além da proibição de importação de petróleo russo de Biden, o projeto de lei que tramita no Congresso também incentivaria uma revisão do status da Rússia na Organização Mundial do Comércio e sinalizaria o apoio dos EUA a sanções contra autoridades russas por violações de direitos humanos, enquanto os EUA trabalham para isolar o regime.

A legislação foi aprovada por 414 votos a favor e 17 contra e agora segue para o Senado. O deputado Lloyd Doggett, D-Texas, que ajudou a redigir o projeto de lei, reconheceu que pode custar mais para encher os tanques em casa para deter os tanques do presidente russo Vladimir Putin no exterior. “É uma maneira de demonstrar nossa solidariedade”, disse.

A notável determinação bipartidária no Congresso de dissuadir a Rússia e ajudar a Ucrânia agiu como um acelerador da própria estratégia da Casa Branca, levando o governo Biden a agir mais rapidamente do que teria feito – um raro exemplo do Poder Legislativo entrando forçadamente na política externa.

Apenas alguns dias atrás, o governo Biden estava relutante em proibir as importações de petróleo russo, preocupado em reduzir o fornecimento global de energia e causar picos nos preços do gás em um momento em que as famílias dos EUA já enfrentam uma inflação recorde.

“Estamos falando sobre a proibição da Rússia (energia) há algum tempo, e estamos muito satisfeitos que o presidente tenha feito isso”, disse Nancy Pelosi, antes da votação.

Embora o petróleo russo represente apenas uma pequena parte das importações dos EUA, ele tem um preço alto para os legisladores no Congresso que viram a proibição como um teste moral ao bloquear uma tábua de salvação econômica para o regime de Putin. Os legisladores pareciam especialmente comovidos com o “súplica desesperada” do presidente ucraniano Volodymr Zelenskyy por ajuda durante uma videochamada no fim de semana com os legisladores. 

Compartilhe:

Matérias relacionadas