5G: Especialista fala sobre impactos da tecnologia chinesa e americana no Brasil

O sócio-fundador da Liberta destacou que os Estados Unidos estão mais em linha com o Brasil em razão da defesa da democracia e pela proximidade geográfica comparado à China
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Leandro Ruschel, sócio-fundador da Liberta Investimentos, comentou durante participação na programação da BM&C news, nesta terça-feira (18), sobre os impactos do atraso da implementação do 5G no Brasil.

Na avaliação dele, o Brasil deve explorar a seu favor a situação de ser “cortejado” por duas potencias, como é o caso da tecnologia americana e a tecnologia chinesa.

“A gente tem que avaliar todas essas questões e não ser ideológico, mas extrair ao máximo dessa situação a favor do país”, avaliou.

Na explicação, Ruschel destacou que, em sua visão, a grande preocupação em relação a tecnologia chinesa é de terem utilizado o aparato para espionar outros países: “Hoje, pouca gente sabe, mas 70% dos dados trafegados no Brasil em rede de celular passam por equipamentos chineses, ou seja, mesmo hoje não sendo 5g, a tecnologia 3g, 4g já é uma tecnologia chinesa utilizada no Brasil”, disse.

Apesar disso, o sócio-fundador da Liberta destacou que os Estados Unidos estão mais em linha com o Brasil em razão da defesa da democracia e pela proximidade geográfica.

Confira outra análise de Leandro Ruschel sobre o assunto:

Se inscreva no nosso canal e acompanhe a programação ao vivo.

Compartilhe:
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Matérias relacionadas