Ibovespa acompanha exterior e registra queda nesta segunda

O principal índice da B3 tem desvalorização de 0,93% aos 104.152 pontos

O Ibovespa opera em baixa nesta segunda-feira (9), dando sequência às perdas reportadas na semana anterior e em linha com as bolsas da Europa e de Nova Iorque.

Às 13h26, o principal índice da B3 tinha desvalorização de 0,93% aos 104.152 pontos.

Hoje o dia conta com uma agenda esvaziada de indicadores macroeconômicos. O destaque fica com os balanços corporativos, mostrando os resultados das empresas no primeiro trimestre deste ano.

Mais cedo, o Itaú (ITUB4) divulgou seu resultado do primeiro trimestre, reportando lucro recorrente de R$ 7,36 bilhões, um aumento de 15,1% ano a ano.

Os ativos totais somaram R$ 2,183 trilhões no 1T22, subindo na comparação ao mesmo período do ano passado, quando o resultado foi de R$ 2,128 trilhões. O índice de inadimplência foi de 2,6% no primeiro trimestre de 2022, elevação de 0,3 p.p. na comparação com igual etapa do ano passado.

 As receitas de serviços e seguros cresceram 9,6% nesse trimestre em comparação com o primeiro trimestre de 2021. 

Já a Azul teve receita recorde no primeiro trimestre de 2022, o que a ajudou a reduzir seu prejuízo, à medida que a companhia aérea gradualmente se recupera dos efeitos da pandemia e ainda lida com pressões de custos elevados do combustível e da forte volatilidade cambial.

A empresa anunciou nesta segunda-feira que sua receita líquida de janeiro a março deu um salto de 74,9% ano a ano, para 3,19 bilhões de reais, acima dos níveis pré-pandemia, mesmo com o impacto da variante Ômicron no período.

 A Azul fechou o trimestre com prejuízo líquido ajustado de 808,4 milhões de reais, perda 24,4% menor do que um ano antes.

Considerando efeitos não recorrentes, como de marcação a mercado e variação cambial, a Azul lucrou 2,66 bilhões de reais no trimestre, após prejuízo de 2,65 bilhões de reais em igual período do ano passado.

Na China, a balança comercial de abril registrou superávit de US$ 51,1 bilhões, mostrando um incremento de 3,9% das exportações em relação ao ano passado. Este foi o menor crescimento das exportações do país nos últimos dois anos.

Com Reuters

Compartilhe:

Últimas notícias

Matérias relacionadas