INSS adota robôs para analisar pedidos de benefícios e milhares são negados

Os robôs foram adotados para realizar uma varredura na fila de pedidos e dar um retorno aos segurados o mais rápido possível

O INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) adotou a inteligência artificial na concessão de benefícios previdenciários, com o objetivo de reduzir a fila de pedidos. 

No entanto, de acordo com SINSSP (Sindicato dos Trabalhadores do Seguro Social e Previdência Social no Estado de São Paulo), esta prática tem levado a um alto índice de respostas negativas aos segurados. 

Quando mesmo assim não é possível liberar o benefício por falta de documentos, em seguida, um funcionário é acionado e ocorre a abertura de um procedimento, denominado de cumprimento de exigência. Em  o trabalhador precisa enviar a documentação provando o direito. 

Os robôs foram adotados para realizar uma varredura na fila de pedidos e dar um retorno aos segurados o mais rápido possível, de acordo com a Vilma Ramos, diretora do sindicato.

Contudo, a estatística do sindicato aponta um alto índice de indeferimentos, de ao menos 300 mil benefícios negados nos últimos três meses.

Insatisfação dos funcionários

Os servidores e servidoras do INSS denunciam a utilização de robôs para analisar os pedidos de benefícios e as máquinas estão negando a milhares de trabalhadoras e trabalhadores um direito garantido pela legislação brasileira.

De acordo com o Ministério do Trabalho e Previdência, a fila tem 1 milhão, 8 mil e 112 segurados aguardando para serem atendidos por um médico perito. Agora tem também as vítimas dos robôs. 

Todos esperam para receber benefícios como auxílio-acidente, auxílio por incapacidade temporária (antigo auxílio-doença), e aposentadoria incapacidade permanente (aposentadoria por invalidez), além do Benefício de Prestação Continuada (BPC).

Se inscreva no nosso canal e acompanhe a programação ao vivo.

Compartilhe:

Últimas notícias

Matérias relacionadas