Destaques da Bolsa: Banco Inter (BIDI11) lidera altas do Ibovespa; Eneva (ENEV3) cai 4%

Confira os destaques desta segunda-feira (18)

O Ibovespa fechou em queda, nesta segunda-feira (18), na mesma direção dos índices dos Estados Unidos. 

O principal índice da bolsa brasileira fechou em baixa de 0,43%, aos 115.687,25 pontos.

As ações da Petrobras (PETR3;PETR4) registraram queda de 1,81% e 1,76%, respectivamente. Vale (VALE3) também caiu 1,65%.

Ainda entre os destaques negativos, Eneva (ENEV3) perdeu 4,24%, Gol (GOLL4) recuou 3,11% e Suzano (SUZB3) teve baixa de 2,82%.

Já nos destaques positivos, Banco Inter (BIDI11) teve alta de 4,42%, liderando o Ibovespa, após a companhia retomar planos para migração de base acionária para os EUA.

A Tupy (TUPY3) também subiu 8,47%. A companhia anunciou a compra da fabricante de motores e geradores MWM do Brasil por 865 milhões de reais.

Locaweb (LWSA3) registrou ganhos de 4,22% e Banco do Brasil (BBAS3) avançou 3,69%.

Confira os destaques desta segunda-feira:

Banco Inter (BIDI11)

Em fato relevante, o Banco Inter comunicou a retomada do processo de reorganização societária para migrar sua base acionária para a Inter&Co, com listagem dos papéis na Nasdaq, em Nova York. Já no Brasil, as negociações seriam apenas a partir de certificados de depósito de valores mobiliários (BDRs).

A incorporação das ações de emissão da companhia pela HoldFin acontecerá pelo valor patrimonial contábil, sucedendo a emissão pela holding. Em favor dos acionistas do Inter titulares de ações ordinárias e preferenciais de sua emissão, sobretudo, os titulares de units, de duas classes de ações preferenciais de emissão da HoldFin obrigatoriamente resgatáveis. 

Logo, serão uma classe resgatável em BDRs conforme a Opção BDRs e a outra classe resgatável em dinheiro, conforme a Opção Cash-Out (“PNs Resgatáveis”).

Para cada seis ações ordinárias e/ou preferenciais de emissão do Inter, será entregue uma PN resgatável de emissão de HoldFin, de acordo com o Banco Inter.

Tupy (TUPY3)

A Tupy anunciou a compra da MWM do Brasil, empresa que pertence à Navistar International Corporation, por R$ 865 milhões.

O valor representa 4,0x o Ebitda da MWM em 2021, pagos após a conclusão do negócio, o qual estará sujeito a ajustes de preços comuns a este tipo de operação, segundo a companhia.

A MWM é uma companhia referência em montagem, usinagem e teste de motores, além de fornecer serviços de valor agregado. A companhia produz motores de terceiros sob contratos de manufatura, e tem entre seus clientes líderes da indústria brasileira, europeia e norte-americana de caminhões, ônibus e máquinas.

De acordo com a Tupy, a aquisição disponibiliza a seus clientes uma proposta única de valor composta pela integração das atividades de fundição, usinagem, montagem, calibração, validação técnica e serviços de engenharia. A expertise da MWM servirá às necessidades dos atuais clientes da Tupy.

BR Partners (BRBI11)

O banco de investimentos BR Partners disse que foi alvo de um ataque cibernético durante a madrugada de 16 de abril, mas que não houve qualquer transação monetária com valores de clientes ou do grupo, assim como acesso a senhas e dados que incorram risco financeiro.

O BR Partners disse em comunicado no sábado à noite que segue avaliando a extensão do incidente, mas que também não tinha identificado até então o acesso indevido ou vazamento de quaisquer dados de clientes.

O banco de investimentos afirmou que foram ativados os protocolos de controle e segurança para conter a ameaça, avaliar e minimizar os eventuais impactos.

Com Reuters

Se inscreva no nosso canal e acompanhe a programação ao vivo.

Compartilhe:

Últimas notícias

Matérias relacionadas