3 formas de conseguir renda investindo

Você sabia que existem alguns tipos de investimentos que possibilitam viver de renda passiva?
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Muitas pessoas sonham com a possibilidade de viver de renda passiva, ou seja, receber dinheiro mensalmente na conta sem precisar trabalhar. 

Vale lembrar que atingir este objetivo não é tão fácil, mas você sabia que existem alguns tipos de investimentos que possibilitam viver de renda passiva?

Vamos citar três formas que você pode conseguir renda investindo. Confira: 

Fundos Imobiliários 

Os Fundos Imobiliários (FIIs) são fundos de investimentos destinados à aplicação em empreendimentos imobiliários. Eles são formados por grupos de investidores que aplicam os recursos em imóveis em construção ou já prontos. 

O retorno dos recursos são obtidos através da locação, arrendamento ou venda do imóvel. Após essas operações, os ganhos são divididos entre os investidores, de acordo com quanto cada um aplicou. 

O dinheiro é investido em forma de cotas e administrado por um gestor, instituição financeira, autorizada pela CVM a prestar esse serviço. 

Para Ricardo Rodil, especialista em finanças da empresa Crowe Macro, investimentos em Fundos Imobiliários são seguros. “Os nossos pais e avós contavam pra gente: a maior segurança é investir em imóveis. Quem está em um fundo de investimento, desde que o gestor seja competente, é seguro, sim”, afirmou. 

Rodil destaca justamente que esse tipo de investimento é ideal para pessoas que buscam uma renda mensal:

“Se você é um investidor que quer ter uma renda fixa por mês, a vantagem é que você vai ter essa renda mensal. Logicamente, algum fundo pode render mais do que outro. Dependendo da sua necessidade, talvez você tenha que investir muito nos Fundos Imobiliários para ter uma renda razoável”.

“A desvantagem é que ele realmente rende menos do que poderia render um fundo de ações. Sempre que alguma coisa é mais segura ela rende menos”, completou o especialista.

Ações de dividendos

Os dividendos são parte do lucro líquido de empresas listadas na bolsa de valores, divididos entre os acionistas. 

Todos os investidores com pelo menos uma ação da companhia têm direito aos dividendos. A definição da porcentagem, data de pagamento e como eles serão distribuídos, é feita pela própria empresa. 

Normalmente as companhias distribuem 25% do lucro líquido entre os acionistas. Os proventos podem ser feitos em dinheiro, ações, dividendo especial, juros sobre capital próprio (JCP) e direitos de subscrição. 

Vale lembrar que nem todas as empresas listadas na bolsa pagam dividendos. 

Rodil ressaltou que os dividendos não possuem a mesma regularidade que um Fundo Imobiliário. “Não tem a regularidade de rendimento que você vai esperar de um imóvel ou de Fundo Imobiliário. O dividendo pode existir ou não, existindo pode ter distribuição intermediária que depois são compensadas na apuração anual”, pontuou.

O especialista disse ainda que a possibilidade de viver de dividendos depende de diversas consequências, principalmente, da quantia que será investida e de quanto será o valor que você receberá, “o que vai definir se isso te convém ou não”. 

Tesouro com juros semestrais

O Tesouro com juros semestrais são rendimentos que alguns títulos do Tesouro pagam semestralmente. O investidor que aplica nesses títulos não precisa esperar até o fim do prazo para receber seus juros, já que o rendimento é recebido ao longo da aplicação, diferente de outras opções do Tesouro Direto. 

Dois títulos do Tesouro pagam juros semestrais: Tesouro IPCA com juros semestrais e o Tesouro Prefixado com juros semestrais.

“Tem um pouco da vantagem dos Fundos Imobiliários, você tem a garantia de que vai receber a taxa fixada a cada seis meses. Se isso é sua renda, você só pode gastar depois que receber, tem que levar em conta isso”, destacou Rodil.

O especialista ressaltou que a curva de juros pode ser um problema para esse tipo de investimento. “Se você vai investir e vai ficar até o fim do vencimento do título, não tem grandes problemas”, disse.

“O único risco que poderia ter é que se houver alguma pressão inflacionária que superar esses índices oficiais, você pode estar perdendo um pouco de capital”, acrescentou. 

Segundo Rodil, o Tesouro com juros semestrais é para o investidor que tem perfil conservador. Mas, o especialista ressalta que é importante a diversificação da carteira: “Diversifique. Tenha fundos multimercados, fundos imobiliários, ações”. 

Se inscreva no nosso canal e acompanhe a programação ao vivo.

Compartilhe:
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Matérias relacionadas