Dados de serviços no Brasil, IPC e o que move o mercado hoje

Ontem, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse estar surpreso com o resultado do IPCA na semana passada

Os índices futuros dos Estados Unidos operam em alta na manhã desta terça-feira (12), aguardando os dados da inflação norte-americana (IPC), com a Casa Branca já antecipando que espera um resultado muito acima do esperado devido à guerra na Ucrânia.

Na contramão, estão as Bolsas europeias, que estão majoritariamente em terreno negativo após o chanceler da Áustria, Karl Nehammer, ter dito que está “pessimista” sobre a evolução do conflito no Leste Europeu após conversar com o presidente da Rússia, Vladimir Putin.

O mercado asiático, por sua vez, caminhou sem direção, com os índices chineses se recuperando após o país mostrar sinais de alívio na política zero Covid e outras se retraindo antes da publicação de novos dados de inflação dos EUA.

O índice Xangai subiu +1,46% e o Shenzhen avançou +1,81%. Em Hong Kong, o Hang Seng também encerrou o pregão em terreno positivo, fechando em alta de +0,52%. Em Tóquio, o Nikkei perdeu -1,81%; em Seul, o Kospi caiu -0,98% e, em Taiwan, queda do Taiex em -0,34%.

BRASIL

No cenário doméstico, a agenda econômica brasileira conta apenas com o volume de serviços de fevereiro, que será divulgado pelo IBGE.

Ontem, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse estar surpreso com o resultado do IPCA na semana passada, que apontou inflação de 11,30% nos últimos 12 meses, e afirmou ainda que o BC está disposto a mudar o plano pré-definido caso seja necessário.

RADAR CORPORATIVO

O Inter informou na segunda-feira (11) que assinou acordo operacional com o Banco Mercantil do Brasil por meio do qual este fará cessão de até 2 bilhões de reais em créditos, num prazo de até 18 meses.

A companhia aérea Gol (GOLL4) anunciou a previsão de que sua receita unitária por passageiro (Prask) do primeiro trimestre tenha sido cerca de 45%¨maior do que um ano antes.

E o diretor-geral do ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico) afirmou que a bandeira verde na conta de luz deve ficar até o fim do ano, ou seja, provavelmente as tarifas não terão custos adicionais em 2022.

(Com Reuters, BM&C Now e Estadão Conteúdo)

Compartilhe:

Matérias relacionadas