Inflação da China supera previsões em março com maior pressão de oferta

"O aumento da inflação dos preços de alimentos e energia limita o espaço para o (Banco Popular da China) cortar as taxas de juros, apesar da economia em rápida deterioração", disse Nomura
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Os preços ao produtor e ao consumidor da China subiram mais do que o esperado em março, com a invasão da Ucrânia pela Rússia, gargalos persistentes na cadeia de suprimentos e problemas de produção causados ​​por surtos locais de Covid-19 se somando a pressões sobre os custos das commodities.

O aumento nos custos das matérias-primas está prejudicando as economias em todo o mundo e na China levantou dúvidas entre alguns analistas sobre o quanto seu banco central será capaz de aliviar a política monetária.

O índice de preços ao produtor da China (PPI) subiu 8,3% em março em relação ao ano anterior, mostraram dados do Escritório Nacional de Estatísticas (NBS) na segunda-feira. Embora tenha sido abaixo dos 8,8% vistos em fevereiro, superou a previsão de um aumento de 7,9% levantada em pesquisa da Reuters.

As pressões de alta elevaram os preços ao consumidor, que subiram 1,5% em relação ao ano anterior, maior aumento em três meses, acelerando de 0,9% em fevereiro e superando as expectativas de 1,2%.

Analistas do Nomura disseram que possíveis atrasos no plantio de safras causados ​​por novos surtos de Covid-19 no país e o conflito na Ucrânia podem criar novas pressões sobre os preços dos alimentos no segundo semestre do ano.

“O aumento da inflação dos preços de alimentos e energia limita o espaço para o (Banco Popular da China) cortar as taxas de juros, apesar da economia em rápida deterioração”, disse Nomura em nota.

Embora o aumento anual do PPI tenha sido o menor desde abril de 2021, isso se deve principalmente às comparações mais baixas do final de 2020 e início de 2021 observadas nos meses anteriores.

O aumento mensal de 1,1%, entretanto, foi o maior em cinco meses, impulsionado pelo aumento dos preços do petróleo doméstico e metais não ferrosos devido a fatores geopolíticos, disse o NBS.

Compartilhe:
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Matérias relacionadas