“Os ciclos que estamos passando não nos assustam”, afirma CEO da Wilson Sons

No bate-papo, o CEO da Wilson Sons discorreu sobre as perspectivas da companhia para o ano de 2022

Nesta quinta-feira (31), foi realizada a live da Sara Invest, com o CEO da Wilson Sons (PORT3), Fernando Salek, Rafael Maisonnave, sócio e portfólio manager do Tarpon Capital, João Paulo Reis, gestor da Biguá Capital, e Alex André, partner da Sara Invest.

No bate-papo, o CEO discorreu sobre as perspectivas da companhia para o ano de 2022, bem como para o cenário macroeconômico. Para ele, em 2022 uma crise de logística internacional se construiu e esta gera implicações importantes. “Obviamente tem a guerra na Ucrânia, que tem potencial para eventualmente causar um pouco mais de disrupção na cadeia de logística brasileira e até prolongar um pouco a retomada da normalidade”, comentou.

Pensando nesse contexto e no fato de que 2022 é um ano eleitoral, que naturalmente trará volatilidade ao mercado, ele afirma que a companhia será resiliente, bem como tem sido em seus 185 anos atuando no mercado brasileiro. “Os ciclos que estamos passando não nos assustam, estamos acostumados com o cenário brasileiro”, afirma.

Além disso, Salek também falou sobre novos rebocadores e projetos de energias renováveis fortes. “Temos alguns elementos interessantes, mas olhamos com cautela para 2022 devido a algumas características peculiares”, finaliza.

Dentro desse cenário, Rafael Maisonnave, sócio e portfólio manager do Tarpon Capital e um dos grandes investidores da Wilson Sons, explica que começou a investir na companhia a 5 anos atrás, pensando em duas características: a previsibilidade do negócio e a geração de caixa.

“Essa combinação de fatores fez com que a gente aumentasse a posição na Wilson Sons”, comenta Maisonnave.

Crescimento fora do país

No bate-papo, o CEO da companhia discutiu perspectivas para a empresa e quais suas estratégias para esse ano. De acordo com ele, a Wilson Sons (que atua fundamentalmente no brasil), avalia oportunidades, de forma seletiva, em outros mercados, em particular na América Latina.

“A gente já fez algumas iniciativas no passado de internacionalização, mas não fomos bem sucedidos. Entretanto, estamos atentos, pois isso faz parte de uma das estratégias da empresa”, comentou Salek. Além disso, ele afirma que a companhia é rigorosa ao estudar uma boa oportunidade de investimento, dizendo que “a companhia não faz loucuras com o dinheiro de seus acionistas”.

Sustentabilidade

Questionado sobre sustentabilidade por João Paulo, gestor da Biguá Capital, Salek constatou que a grande ambição da organização é ser uma força regeneradora fazendo parte da solução para problemas ambientais. “Queremos liderar esforços setoriais no sentido de descarbonizar e buscar formas mais sustentáveis de atuar”, comenta. 

Em suma, ele reinterou que este ano será o primeiro em que a companhia lançará seu relatório de sustentabilidade. 

Um pouco mais sobre a Wilson Sons

A Wilson Sons é a maior operadora de logística portuária e marítima do mercado brasileiro, fundada há 185 anos, a Wilson Sons, em outubro de 2021, migrou suas ações para o Novo Mercado da B3, segmento da bolsa brasileira destinado às empresas que adotam as melhores práticas de governança.

A companhia tem abrangência nacional e oferece soluções completas para mais de 2 mil clientes, incluindo armadores, importadores e exportadores, indústria de óleo e gás, projetos de energia renovável, setor do agronegócio, além de outros participantes em diversos segmentos da economia.

“Temos inovação em nosso DNA, estamos nos reinventando e nos redescobrindo durante todos esses 185 anos de história”, comenta o CEO da companhia. 

Compartilhe:

Matérias relacionadas