Destaques da Bolsa: Frigoríficos fecham entre as maiores altas do Ibovespa

Confira os destaques desta segunda-feira (28)

O Ibovespa fechou em queda, nesta segunda-feira (28), interrompendo oito altas seguidas.

O principal índice da bolsa brasileira fechou em queda de 0,29%, a 118.737,78 pontos.

Em meio à queda do petróleo, as ações da Petrobras (PETR3;PETR4) caíram 2,63% e 2,17%, respectivamente. PetroRio (PRIO3) recuou 0,79%.

Vale (VALE3) teve leves ganhos de 0,12%. 

Entre os destaques positivos, Marfrig (MRFG3) fechou em alta de 4,02% e BRF (BRFS3) subiu 2,29%. No final de semana, a BRF informou que recebeu correspondência dos acionistas Marfrig e Previ para o preenchimento de uma vaga na chapa ao conselho de administração da empresa por Aldo Luiz Mendes, ex-diretor do Banco Central.

JBS (JBSS3) e Minerva (BEEF3) acompanharam a valorização e avançaram 1,64% e 3,66%, respectivamente. 

Confira os destaques desta segunda-feira:

Gol (GOLL4)

A Gol anunciou nesta segunda-feira a expansão de sua unidade de negócios especializada em manutenção, reparos e revisões de aeronaves e componentes, a Gol Aerotech. A divisão localizada atualmente no Aeroporto de Confins (MG) agora passa a ter mais duas unidades nos Aeroportos de Congonhas (SP) e Brasília (DF).

De acordo com a aérea, a expansão foi resultado de um estudo detalhado sobre a situação atual e as perspectivas do setor de manutenção de aeronaves no período pós-pandemia.

A unidade de Confins expandiu em dezembro sua capacidade produtiva de 5 para 7 linhas de manutenção. Além disso, renovou por mais 20 anos a parceria com o aeroporto.

Em Congonhas, a segunda unidade lançada da Gol Aerotech tem estrutura para realizar revisões de aeronaves e eventuais demandas de modificações e atendimento de tarefas mais complexas de pernoite.

Já na unidade de Brasília serão abrigados serviços de manutenção de duração de até 3 dias, como troca de trem de pouso e motor, pequenas modificações, inspeções de ensaios não destrutivos, podendo ter seu escopo ampliado conforme a necessidade de companhia e seus clientes, possibilitando maior número de atendimentos.

Enauta (ENAT3) 

A petroleira Enauta afirmou nesta segunda-feira que não foi constatada ocorrência de hidrocarbonetos em poço exploratório de bloco na Bacia Sergipe-Alagoas (SEAL, prospecto Cutthroat) após conclusão da perfuração, a perfilagem e a avaliação final.

A Enauta Energia, controlada da Enauta Participações, possui 30% de participação em nove blocos na Bacia de Sergipe-Alagoas, em ativos em sociedade com as norte-americanas ExxonMobil e Murphy Oil.

“Embora não tenha sido constatada a ocorrência de hidrocarbonetos nesse poço, o consórcio realizará estudos complementares, integrando os dados amostrados à sua interpretação geológica regional, de forma a atualizar sua visão quanto ao potencial exploratório dos blocos situados em águas ultraprofundas na Bacia Sergipe-Alagoas”, disse a companhia.

Vale (VALE3)

A Vale fechou mais de 6,5 mil acordos de indenização relacionados ao rompimento da barragem de Brumadinho (MG) e remoções de pessoas por aumento do nível de emergência de estruturas, em montantes que superam 3 bilhões de reais, disse a mineradora nesta segunda-feira.

“O avanço das indenizações reflete o compromisso da Vale em concluir os processos de indenização e promover uma reparação integral”, acrescentou, em comunicado.

Segundo a Vale, foram firmados 5,1 mil acordos cíveis, contemplando mais de 10,4 mil pessoas, e 1,4 mil acordos trabalhistas, envolvendo cerca de 2,4 mil pessoas.

Entre os familiares de trabalhadores falecidos, mais de 1,7 mil pessoas já fecharam acordos de indenização, com valores que ultrapassam 1,1 bilhão de reais. Todos os empregados, próprios ou terceirizados, mortos na tragédia de Brumadinho já tiveram ao menos um familiar com acordo firmado.

Com Reuters e Estadão Conteúdo

Se inscreva no nosso canal e acompanhe a programação ao vivo.

Compartilhe:

Matérias relacionadas