Guerra na Ucrânia teve impacto sobre projeção de crescimento do PIB, diz secretário de Guedes

O secretário ressaltou ainda que além do impacto já observado até o momento, a guerra será um fator de incerteza no resto deste ano
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Os impactos econômicos negativos gerados pela guerra na Ucrânia já sensibilizaram a projeção do governo para o crescimento do Brasil, informou nesta quinta-feira o secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, Pedro Calhman.

“A projeção do PIB foi revisada para baixo em grande parte por fatores técnicos e estatísticos ligados aos números do PIB no passado, a guerra na Ucrânia também teve impacto”, disse.

Calhman afirmou que as previsões para o crescimento global caíram e as condições financeiras ficaram mais restritivas, fatores agravados pelo conflito na Ucrânia. Segundo ele, as projeções também já incorporam o impacto da alta de commodities sobre a inflação.

O secretário ressaltou ainda que além do impacto já observado até o momento, a guerra será um fator de incerteza no resto deste ano.

A Secretaria de Política Econômica anunciou nessa quinta uma redução da sua projeção para a alta do PIB deste ano para 1,5%, de 2,1% antes. Para 2023, a projeção foi mantida em 2,5%.

Segundo o chefe da Assessoria Especial de Assuntos Estratégicos do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida, o governo está adotando agora a mesma estratégia implementada durante a pandemia de Covid-19, com adoção de medidas faseadas de resposta à crise a depender da evolução do cenário.

Em meio a estudos no governo para conceder subsídios diretos a combustíveis para amenizar alta de preços, o secretário Especial de Tesouro e Orçamento, Esteves Colnago, disse que a equipe econômica tem conseguido promover uma consolidação fiscal, destacando que é importante continuar nesse caminho.

Se inscreva no nosso canal e acompanhe a programação ao vivo.

Compartilhe:
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Matérias relacionadas