“Elevar muito a taxa de juros trava os investimentos”, avalia jornalista de economia

Salete pontuou que diante do cenário de inflação de custo, a taxa de juros subiu muito rápido e a inflação não cedeu em momento nenhum e isso foi um problema

O Comitê de Política Monetária do Banco Central elevou a taxa básica de juros – Selic – de 10,75% para 11,75% ao ano. No ano passado, com a crise da pandemia, os juros caíram para o menor patamar, atingindo os 2% ao ano.

“Não pode elevar muito a taxa de juros, porque você trava os investimentos e a economia brasileira foi travada com essa taxa de juros. Meu receio é de que nós tenhamos a estagflação, que é uma economia estagnada com taxas de inflação que são improcedentes para a nossa realidade de trabalho, salarial e de renda”, avaliou Salete Lemos, jornalista de economia, durante participação na programação da BM&C News.

Para a jornalista, o principal erro do Banco Central foi a redução drástica da taxa de juros com juro real negativo no Brasil durante um período bastante largo, no ano passado, e que trabalhar com o juros negativo em um país emergente é muito arriscado.

“Nessa regressão das taxas de juros, feita de uma forma muito rápida, causou uma fuga de investidores estrangeiros muito sentida na questão da cotação do dólar”, pontuou.

Salete explicou que a ferramenta do BC para controlar a inflação é taxa de juros, porque o mercado trabalha com oferta e demanda. “Partindo do pressuposto de que o Banco Central quer frear o consumo, diminuir a demanda, nós temos hoje uma inflação de custo, que é energia, tributário e elétrico. Então, esse custo muito alto é o que está sendo repassado”, disse.

Além disso, Salete avaliou o cenário de inflação nos Estados Unidos: “Neste elaborado, você tem um exercício de gestão, lá tem uma prioridade de programa de governo. Os Estados Unidos estão muito preocupados neste momento com inflação sim, mas eles de forma nenhuma aceitam o desaquecimento miúdo da economia, é prioridade”, avaliou.

Confira outra análise de Salete Lemos sobre política monetária:

Se inscreva no nosso canal e acompanhe a programação ao vivo.

Compartilhe:

Matérias relacionadas