Destaques da Bolsa: Magazine Luiza (MGLU3) cai 8% após balanço; Azul (AZUL4) subiu 6%

Confira os destaques desta terça-feira (15)

O Ibovespa fechou em queda, nesta terça-feira (15), pressionado por Vale e Petrobras, que registraram desvalorização. 

O Ibovespa, principal índice da bolsa brasileira, fechou em queda de 0,88%, cotado a 108.959,30 pontos.

Vale (VALE3) caiu 2,89%, CSN (CSNA3) recuou 3,53%, Gerdau (GGBR4) teve perdas de 4,75% e Usiminas (USIM5) teve queda de 3,87%. 

As ações da Petrobras (PETR3;PETR4) também fecharam com desvalorização de 1,95% e 2,20%, respectivamente. 

O principal destaque negativo foi o papel do Magazine Luiza (MGLU3), que caiu 8,44%, após a companhia divulgar os resultados do quarto trimestre de 2021. 

As empresas aéreas ficaram entre os destaques positivos: Azul (AZUL4) subiu 6,86% e Gol (GOLL4) avançou 3,07%. 

A Via (VIIA3) registrou ganhos de 2,53%, após informar, nesta segunda-feira (14), um acordo de R$ 300 milhões envolvendo crédito de ICMS. 

Confira os destaques desta terça-feira:

Magazine Luiza (MGLU3) 

O Magazine Luiza reportou lucro líquido de R$ 93 milhões no quarto trimestre de 2021, queda de 57,6% ante o mesmo período do ano anterior. 

Em 2021, o lucro líquido somou R$ 590,7 milhões, aumento de 50,8% contra os 12 meses de 2020.

A receita líquida ficou em R$ 9,4 bilhões no 4T21. O número representa recuo de 6,6% quando comparado com o mesmo trimestre de um ano antes.

Já o Ebitda (lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) foi negativo em R$ 7,9 milhões ante R$ 504,7 milhões no mesmo período de 2020.

Via (VIIA3)

A varejista Via, dona das redes Casas Bahia e Ponto, informou nesta segunda-feira que fez acordo para transferência de créditos tributários de ICMS de 300 milhões de reais.

Segundo a companhia, o impacto esperado com a transação no fluxo de caixa e resultados será apropriado ao longo dos próximos 18 meses.

“Dessa forma, além da monetização recorrente em andamento, em menos de 3 meses deste exercício social a companhia já monetizou 500 milhões de reais em créditos fiscais, sem levar em consideração os pequenos deságios praticados neste tipo de operação”, afirmou a companhia em comunicado ao mercado.

Direcional Engenharia (DIRR3) 

A Direcional Engenharia informou que registrou lucro líquido ajustado de R$ 50,9 milhões, crescimento de 25,6% em relação ao mesmo período de 2020.

No ano, a companhia reportou lucro líquido ajustado de R$ 165,9 milhões. O número representa alta de 46,7% quando comparado com o ano anterior.

A receita líquida somou R$ 486,9 milhões no quarto trimestre, aumento de 14,5% ante o mesmo trimestre de 2020.

Já o Ebitda (lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado ficou em 109,7 milhões, avanço de 11,8% em relação ao 4T20.

BRF (BRFS3)

A BRF realizou o fechamento da operação prevista no Acordo de Investimento com a AES Brasil Energia, que contempla a formação da Potengi Holdings, uma joint venture entre as empresas. A parceria visa a construção de um parque para auto geração de energia eólica no Complexo Eólico Cajuína, Rio Grande do Norte.

A operação foi anunciada inicialmente em agosto de 2021. O parque contará com capacidade instalada de 165,3MW, que gerará inicialmente 80 MWm a serem adquiridos pela BRF ao longo de 15 anos, por meio de um contrato de compra e venda de energia.

O investimento total estimado do projeto, cuja construção foi iniciada em dezembro passado, é de aproximadamente R$ 905 milhões, o que corresponde a R$ 5,4 milhões/MW instalado. Do total, a BRF investirá diretamente cerca de R$ 92 milhões, a serem desembolsados ao longo dos próximos dois anos. O início das operações permanece previsto para 2023, com fornecimento em 2024.

Com Reuters e Estadão Conteúdo

Se inscreva no nosso canal e acompanhe a programação ao vivo.

Compartilhe:

Últimas notícias

Matérias relacionadas