ONU diz ter relatos confiáveis ​​de uso de bomba de fragmentação pela Rússia na Ucrânia

As bombas de fragmentação explodem no ar, dispersando dezenas ou até centenas de 'bombas' menores em uma ampla área

O escritório de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) disse, nesta sexta-feira (11), que recebeu “relatos confiáveis” de vários casos de forças russas usando munições de fragmentação em áreas povoadas da Ucrânia, acrescentando que o uso indiscriminado de tais armas pode constituir crimes de guerra.

A agência da ONU tem dezenas de monitores no país e espera-se que mais cheguem assim que uma comissão estabelecida pelo Conselho de Direitos Humanos com sede em Genebra para investigar possíveis crimes de guerra estiver operacional. A agência confirmou pelo menos 549 mortes de civis na Ucrânia desde que a invasão russa começou em 24 de fevereiro, embora diga que o número real é provavelmente maior.

“Devido aos seus efeitos amplos, o uso de munições de fragmentação em áreas povoadas é incompatível com os princípios do direito internacional humanitário que regem a condução das hostilidades”, disse a porta-voz Liz Throssell a jornalistas em Genebra.

“Lembramos as autoridades russas que direcionar ataques contra civis e bens civis, bem como o chamado bombardeio de área em cidades e vilarejos e outras formas de ataques indiscriminados, são proibidos pelo direito internacional e podem constituir crimes de guerra.”

As bombas de fragmentação explodem no ar, dispersando dezenas ou até centenas de ‘bombas’ menores em uma ampla área. A Rússia não é parte de uma convenção de 2008 que proíbe munições de fragmentação, embora esteja vinculada ao direito internacional humanitário, particularmente à proibição de ataques indiscriminados.

Se inscreva no nosso canal e acompanhe a programação ao vivo.

Compartilhe:

Últimas notícias

Matérias relacionadas