Destaques da Bolsa: Natura (NTCO3) e CVC (CVCB3) fecham em forte alta de 16%

Confira os destaques desta quarta-feira (9)

O Ibovespa fechou em alta, nesta quarta-feira (9), com a queda do petróleo e acompanhando a recuperação global.

O Ibovespa, principal índice da bolsa brasileira, fechou em alta de 2,43%, cotado a 113.900,34 pontos.

Natura (NTCO3) disparou 16,25%, ficando entre as maiores altas do Ibovespa, com expectativa do balanço do quarto trimestre de 2021, que será divulgado hoje. 

As ligadas ao turismo também registraram forte alta. CVC (CVCB3) subiu 16,97%, Gol (GOLL4) 12,09% e Azul (AZUL4) 8,82%.

Acompanhando a queda do petróleo, 3R Petroleum (RRRP3) caiu 4,35%, PetroRio (PRIO3) -6,44%, Petrobras ON (PETR3), -0,03%. Já Petrobras PN (PETR4) avançou 0,31%.

Vale (VALE3) também recuou 2,64%, enquanto Gerdau (GGBR4) subiu 3,37%, Metalúrgica Gerdau (GOAU4) teve alta de 2,66%, CSN (CSNA3) avançou 1,53% e Usiminas registrou ganhos de 0,40%. 

A Marfrig (MRFG3) subiu 2,93%, após a companhia divulgar os resultados do quarto trimestre de 2021 na véspera. 

Confira os destaques desta quarta-feira:

Marfrig (MRFG3)

A Marfrig reportou lucro líquido de R$ 650 milhões no quarto trimestre de 2021, queda de 44,5% em relação ao mesmo período de 2020, informou a companhia, nesta terça-feira (8). 

No ano, o lucro líquido da empresa foi de R$ 4,3 bilhões, avanço de 31,5% ante um ano antes. 

A receita líquida somou R$ 23,9 bilhões, crescimento de 31,1% na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior. 

Já o Ebitda (lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) consolidado da Marfrig foi de R$ 4,1 bilhões no período. O número representa alta de 98,3% quando comparado com o 4T20. 

CSU CardSystem (CARD3)

A CSU CardSystem anunciou, nesta terça-feira, que pagará R$ 4 milhões em juros sobre o capital próprio.

O valor por ação será de R$ 0,097221126. A data corte será em 11 de março de 2022. Sendo assim, as ações da companhia serão negociadas como “ex-JCP” a partir de 14 de março.

O pagamento será realizado em 16 de janeiro de 2023.

Embraer (EMBR3) 

A Embraer suspendeu o fornecimento de peças, manutenção e suporte técnico a clientes nas regiões da Rússia, de Belarus e de certas regiões da Ucrânia para cumprir determinadas sanções impostas a esses locais, conforme informou em comunicado, nesta quarta-feira.

A companhia destacou também que não há preocupação imediata com a disponibilidade de titânio em sua cadeia de suprimentos, “tendo em vista a forte posição de seus estoques no momento”. Apesar disso, informou que busca novas fontes para o fornecimento do material.

Oi (OIBR3) 

A conselheira Lenisa Prado, do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), votou por acolher parcialmente recurso apresentado pela Algar Telecom e pela Associação Brasileira das Prestadoras de Serviços de Telecomunicações Competitivas (Telcomp) e manter a aprovação da venda da Oi para Claro, TIM (TIMS3) e Vivo (VIVT3), dada pelo órgão no mês passado.

A Algar e a Telcomp recorreram ao Cade alegando que os termos do Acordo em Controle de Concentração (ACC) negociado pelas empresas com o órgão são diferentes do que aqueles impostos por Prado e informados durante a sessão de julgamento.

O único ponto acolhido pela conselheira, relatora do embargo de declaração analisado nesta quarta-feira, foi deixar claro, no acordo feito com as empresas, que o trustee escolhido para monitorar o cumprimento das obrigações impostas pelo Cade conheça o mercado de telefonia móvel.

O restante dos pedidos feitos pelas empresas recorrentes foi negado pela relatora. As empresas solicitaram que o acordo fosse alterado para incluir, por exemplo, regras de precificação de determinadas ofertas de serviços no atacado que foram ditas durante o julgamento, mas não especificadas nos termos escritos.

Santander (SANB11) 

O banco espanhol Santander e a italiana Enel anunciaram nesta quarta-feira, 9, o primeiro acordo global para apoiar clientes ao redor do mundo na transição para energia limpa. A partir da assinatura de um memorando de entendimento (MoU, na sigla em inglês), os grupos europeus se comprometeram a fornecer e financiar soluções de eficiência energética a clientes ao redor do mundo. Não foram divulgados valores do acorro.

A Enel, por meio da sua linha de negócios de serviços avançados em energia, fornecerá soluções customizadas enquanto o Santander vai responder pela concessão de financiamentos.

Juntos, o objetivo, conforme comunicado divulgado a partir da Espanha, no período da manhã desta quarta-feira, é ajudar a acelerar a transição energética dos clientes para modelos mais sustentáveis, com a otimização do consumo de energia.

A sociedade com o Santander, na visão da Enel, é mais um passo para a conquista de uma sociedade “net zero”, ou seja, zerando as emissões líquidas de gases de efeito estufa.

Com Reuters e Estadão Conteúdo

Se inscreva no nosso canal e acompanhe a programação ao vivo.

Compartilhe:

Matérias relacionadas