Otan rejeita zona de exclusão aérea na Ucrânia; Zelenskiy diz que significa mais bombardeios

"Não fazemos parte deste conflito", disse o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, ao negar o pedido da Ucrânia

A Otan rejeitou nesta sexta-feira os apelos da Ucrânia para ajudar a proteger os céus ucranianos de mísseis e aviões de guerra russos, preocupada em acabar sendo arrastada para a guerra da Rússia contra sua vizinha, mas a Europa prometeu mais sanções para punir o presidente russo, Vladimir Putin.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy, criticou fortemente a decisão, dizendo que a aliança deu à Rússia luz verde para continuar sua campanha de bombardeio.

Ele já havia apelado à Otan para estabelecer uma zona de exclusão aérea sobre a Ucrânia, invadida pela Rússia por terra, mar e ar em 24 de fevereiro.

“Não fazemos parte deste conflito”, disse o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, ao negar o pedido da Ucrânia.

“Temos responsabilidade, como aliados da Otan, de impedir que esta guerra se agrave além da Ucrânia, porque isso seria ainda mais perigoso, mais devastador e causaria ainda mais sofrimento humano”, declarou ele após uma reunião da Otan em Bruxelas.

A Ucrânia, uma ex-república soviética, quer se juntar à União Europeia e à Otan, medidas que Moscou diz ameaçar sua segurança e influência. A Rússia bombardeou áreas residenciais e infraestrutura civil, além de capturar duas instalações nucleares.

“Hoje houve uma cúpula da Otan, uma cúpula fraca, uma cúpula confusa, uma cúpula em que ficou claro que nem todos consideram a batalha pela liberdade da Europa o objetivo número um”, disse Zelenskiy em um discurso televisionado no final da sexta-feira.

“Hoje, a liderança da aliança deu luz verde para novos bombardeios de cidades e vilas ucranianas, recusando-se a estabelecer uma zona de exclusão aérea.”

Embora o Ocidente tenha condenado Putin, os membros da Otan são obrigados a defender uns aos outros em caso de ataque e estão temerosos de afundar em uma guerra com a Rússia, dona de armas nucleares. A UE ameaçou mais sanções, mas não ficou claro o que poderia fazer.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, disse que a aliança defenderá “cada centímetro” do território da Otan e que Moscou não deve duvidar da determinação de Washington.

“A nossa é uma aliança defensiva. Não buscamos conflito. Mas se o conflito vier até nós, estamos prontos”, afirmou ele.

“Continuaremos a aumentar o custo para o presidente Putin. A menos que o Kremlin mude de rumo, continuará no caminho do isolamento crescente e da dor econômica.”

Mas a aliança – na qual Estados Unidos, Reino Unido e França também são potências nucleares – frustrou as esperanças de ajuda imediata que Kiev diz que poderia virar o jogo na guerra.

“Não devemos ter aviões da Otan operando no espaço aéreo ucraniano ou tropas da Otan operando em território ucraniano”, disse Stoltenberg.

O apoio à Ucrânia até agora veio na forma das mais pesadas sanções econômicas internacionais contra a Rússia até o momento, bem como suprimentos de armas dos Estados da Otan.

Os países da UE disseram que mais punições estão por vir, depois que o bloco já cortou vários credores russos do sistema bancário Swift, restringiu o comércio com Moscou e mirou parte da riqueza de oligarcas russos no Ocidente.

Se inscreva no nosso canal e acompanhe a programação ao vivo.

Compartilhe:

Matérias relacionadas