Chefe do conselho da Petrobras diz que deixará cargo, e presidente do Flamengo pode ser substituto

O presidente do conselho de administração da Petrobras, almirante Eduardo Bacellar Leal Ferreira, disse à Reuters neste sábado que planeja deixar o cargo, com o executivo de petróleo e presidente do Flamengo Rodolfo Landim visto como seu possível sucessor, segundo duas fontes familiarizadas com o assunto.

“A presidência do conselho de administração da Petrobras é um trabalho de 24 horas e quero passar mais tempo com minha família”, disse Ferreira, acrescentando que tem dois filhos adultos morando fora do Brasil.

Ferreira se recusou a comentar mais.

A decisão ocorre no momento em que a Petrobras enfrenta pressão de investidores para aumentar os preços dos combustíveis, já que o petróleo se aproximava de US$ 120 por barril. A empresa controla os preços da gasolina e do diesel no Brasil com mais de 80% da capacidade de refino do país.

Rodolfo Landim, que fez carreira na Petrobras antes de criar sua própria petroleira e vendê-la, está entre os candidatos à substituição, segundo duas pessoas a par do assunto. Landim atualmente dirige o Flamengo.

Um anúncio formal da Petrobras é esperado para a próxima semana. A empresa não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

Na quinta-feira, o presidente Jair Bolsonaro disse que a Petrobras poderia reduzir seu lucro para evitar que os preços dos combustíveis explodissem.

Em um discurso semanal nas redes sociais, Bolsonaro disse estar certo de que a Petrobras faria o que for necessário para proteger os consumidores brasileiros de sofrerem aumentos acentuados de preços.

Os comentários de Bolsonaro vieram depois que a Petrobras quebrou no mês passado seu recorde histórico de lucro anual e pagamentos de dividendos em 2021, graças à alta do petróleo.

A política da Petrobras de buscar paridade entre os preços dos combustíveis domésticos e os mercados internacionais é alvo de críticas com o aumento do custo do petróleo Brent. Um crescente coro de políticos afirma que a Petrobras deveria ajudar a arcar com esses custos.

Na quarta-feira, o presidente-executivo Joaquim Silva e Luna disse à Reuters que a Petrobras ainda não havia tomado uma decisão sobre os reajustes dos preços dos combustíveis. (Reportagem de Sabrina Valle)

Se inscreva no nosso canal e acompanhe a programação ao vivo.

Compartilhe:

Matérias relacionadas