Relator se diz aberto a sugestões para garantir aprovação de projetos dos combustíveis

Prates adiantou que as mudanças já promovidas nos pareceres referem-se principalmente a tentativas de deixar mais claros os termos das propostas
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

O relator dos dois projetos em tramitação no Senado que visam reduzir o custo dos combustíveis ao consumidor final, Jean Paul Pratas (PT-RN), afirmou nesta sexta-feira estar aberto a mudanças oferecidas tanto por colegas quanto pelo Executivo para garantir a aprovação das propostas na próxima semana na Casa.

O senador se mostrou otimista pela aprovação das matérias “sem maiores problemas”, e disse que tem trabalhado no relatório desde a última sessão do Senado, na semana passada, quando a votação das duas propostas foi adiada pela segunda vez, horas antes de a Rússia iniciar sua invasão à Ucrânia.

“O nosso gabinete está aberto e recebendo, e aberto a examinar qualquer sugestão, tanto dos senadores e senadoras, quanto do próprio governo e sempre em busca de chegar a esses instrumentos que possam nos ajudar a sair da crise em que nós todos, o Brasil se encontra, em função de ter adotado essa péssima política do preço por paridade de importação”, disse o relator, em vídeo divulgado por sua assessoria.

“Os projetos que nós relatamos, que alteram a forma de cobrança do ICMS e também criam, principalmente, a conta de estabilização de preços, podem com certeza ajudar o governo brasileiro a enfrentar essa situação de crise, dando maior tranquilidade ao consumidor e com efeitos positivos no controle da inflação”, lembrou.

Prates adiantou que as mudanças já promovidas nos pareceres referem-se principalmente a tentativas de deixar mais claros os termos das propostas.

Na quarta-feira, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), defendeu a votação dos projetos na próxima semana. Eles estão pautados no plenário da Casa para o dia 8.

Se inscreva no nosso canal e acompanhe a programação ao vivo.

Compartilhe:
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Matérias relacionadas