Destaques da Bolsa: Aéreas fecham em queda; Suzano (SUZB3) sobe 6%

Confira os destaques desta sexta-feira (4)

O Ibovespa fechou em queda, nesta sexta-feira (4), com o mercado atento aos conflitos entre Rússia e Ucrânia.

O Ibovespa, principal índice da bolsa brasileira, fechou em baixa de 0,60%, cotado a 114.473,78 pontos.

As empresas de viagem e turismo ficaram entre as maiores quedas. Azul (AZUL4) caiu 7,77%, Gol (GOLL4) recuou 7,64% e CVC (CVCB3) teve perdas de 6,67%. 

O setor imobiliário também registrou baixa, com JHSF (JHSF3) perdendo 5,61%, Cyrela (CYRE3) -3,29%, MRV (MRVE3) -2,45% e Eztec (EZTC3) -3,24%. 

Na quinta sessão de alta, Vale (VALE3) fechou com ganhos de 2,28%. Já as ações da Petrobras (PETR3;PETR4) recuaram 0,67% e 0,03%, respectivamente. 

Entre os destaques positivos, Suzano (SUZB3) teve alta de 6,70% e Klabin (KLBN11) subiu 4,83%. 

AES Brasil (AESB3) registrou queda de 3,23%, após a companhia divulgar os resultados do quarto trimestre de 2021. 

Confira os destaques desta sexta-feira:

AES Brasil (AESB3) 

A AES Brasil reportou prejuízo de R$ 34,8 milhões no quarto trimestre de 2021, revertendo lucro do mesmo período de 2020, informou a companhia, nesta quinta-feira (3).

A receita líquida da companhia ficou em R$ 731,9 milhões, avanço de 37,5% em relação ao quarto trimestre do ano anterior.

Já o Ebitda (Lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) somou R$ 205,8 milhões, queda de 82,4% na comparação anual.

BRF (BRFS3)

A BRF não foi notificada oficialmente pelo Ministério da Agricultura sobre a decisão da China de suspender as importações de carne de frango de sua unidade, em Lucas do Rio Verde (MT), declarou a companhia em nota encaminhada ao Broadcast Agro, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado.

 Os chineses informaram que a interrupção das compras entrará em vigor no sábado, 5, sem sinalizar quando os negócios podem ser retomados nem o motivo da decisão.

A empresa disse que soube da decisão por meio do comunicado chinês no site oficial da Administração Geral de Alfândegas da China (Gacc, na sigla em inglês).

A BRF destacou, ainda, que tomará as medidas cabíveis e trabalhará “na reversão da situação com as autoridades chinesas e brasileiras”.

Itaú (ITUB4) 

O Itaú informou na última quinta-feira que os seus serviços foram restabelecidos.O banco ressaltou que o problema não tem nenhuma relação com eventos externos.

Na manhã de ontem, alguns clientes do Itaú relataram que receberam depósitos inesperados, enquanto outras pessoas disseram que valores chegaram a sumir de suas contas.

“Pedimos mais uma vez desculpas pelo transtorno e agradecemos a paciência de todos vocês neste processo”, disse o banco em comunicado. 

Iguatemi (IGTI3) 

O Iguatemi, dono de 16 shopping centers no País, fechou a compra de uma fatia de 23,08% do brechó de luxo Etiqueta Única, por R$ 27 milhões. Além de ampliar o seu próprio mercado, a rede de shoppings quer desbravar um nicho em expansão em todo o mundo, o da economia circular, que tem atingido fortemente o mercado da moda, um dos que geram mais impactos ao meio ambiente.

“Vemos uma sinergia muito grande com a nossa base de clientes”, afirma a presidente do Grupo Iguatemi, Cristina Betts, que no início do ano assumiu o comando do conglomerado no lugar de Carlos Jereissati Filho, que é da família fundadora da empresa. Pelo acordo, assinado pelas companhias nesta quinta-feira, 3, o Iguatemi terá a opção de comprar o controle da empresa em até três anos. O grupo ocupará dois assentos no conselho da empresa após o investimento.

Com Reuters e Estadão Conteúdo

Compartilhe:

Matérias relacionadas