Explosão atinge estação ferroviária de Kiev; avanços russos diminuem

Uma autoridade dos Estados Unidos disse que as forças russas parecem estar ficando mais agressivas ao atacar a infraestrutura dentro de Kiev

Uma explosão atingiu uma estação ferroviária de Kiev na noite de quarta-feira (2) onde milhares de mulheres e crianças estavam sendo retiradas, disse a empresa ferroviária estatal ucraniana, ao mesmo tempo em que a Assembleia Geral da ONU exigiu que a Rússia encerre a invasão.

Um assessor do Ministério do Interior disse que a explosão foi causada por destroços de um míssil de cruzeiro russo, não por um ataque direto de foguete. Não houve notícias imediatas sobre vítimas e o local da estação sofreu danos menores. Os trens continuaram a circular.

A segunda maior cidade da Ucrânia, Kharkiv, também sofreu bombardeios pesados ​​no sétimo dia da guerra, mas os ucranianos negaram a alegação da Rússia de que as forças russas haviam tomado a cidade portuária de Kherson, no Mar Negro.

Mais tarde, no entanto, o prefeito de Kherson, Igor Kolykhayev, disse que tropas russas estavam nas ruas da cidade.

Uma autoridade dos Estados Unidos disse que as forças russas parecem estar ficando mais agressivas ao atacar a infraestrutura dentro de Kiev, conforme seus avanços diminuem diante da feroz resistência ucraniana.

A invasão ainda não atingiu o objetivo do presidente russo, Vladimir Putin, de derrubar o governo da Ucrânia, mas já fez mais de 870.000 pessoas fugirem para países vizinhos e abalou a economia global à medida que governos e empresas se alinham para isolar Moscou.

A Assembleia Geral das Nações Unidas votou esmagadoramente para deplorar a invasão “nos termos mais fortes”. E exigiu que a Rússia retire suas forças em uma resolução apoiada por 141 dos 193 membros da assembleia.

Embora as resoluções da Assembleia Geral não sejam vinculantes, elas têm peso político, com a votação de quarta-feira representando uma vitória simbólica para a Ucrânia e aumentando o isolamento internacional de Moscou.

O presidente francês, Emmanuel Macron, elogiou a coragem dos ucranianos diante de uma guerra que ele disse ser responsabilidade exclusiva de Putin. “Os próximos dias provavelmente serão cada vez mais difíceis”, disse Macron em um discurso televisionado.

O Escritório de Direitos Humanos da ONU informou ter confirmado a morte de 227 civis e 525 feridos durante o conflito na Ucrânia até a meia-noite de 1º de março, causados ​​principalmente pelo “uso de armas explosivas com ampla área de impacto”. Alertou que o número real seria muito maior devido a atrasos nos relatos.

Depois de não conseguir tomar rapidamente as principais cidades e subjugar os militares da Ucrânia, autoridades dos EUA disseram que acreditam que a Rússia tentará cercar cidades, cortando suprimentos e rotas de fuga, atacando com uma força combinada de blindados e tropas terrestres.

“ELES SÓ QUEREM DESTRUIR”

O bombardeio mais intenso atingiu Kharkiv, uma cidade de 1,5 milhão de pessoas no leste, transformando o centro em um deserto bombardeado de prédios em ruínas e detritos.

“Os ‘libertadores’ russos chegaram”, lamentou sarcasticamente um voluntário ucraniano, enquanto ele e três outros se esforçavam para carregar o corpo de um homem envolto em um lençol para fora das ruínas de uma praça principal.

Pelo menos 25 pessoas foram mortas por bombardeios e ataques aéreos em Kharkiv nas últimas 24 horas, disseram autoridades.

Pavel Dorogoy, de 36 anos, fotógrafo que mora perto do centro da cidade, contou que as forças russas atacaram prédios, uma central telefônica e uma torre de televisão.

“A maioria das pessoas se escondeu nos porões durante a maior parte do dia de hoje e ontem à noite… Os russos não podem entrar na cidade, então eles estão apenas nos atacando de longe, eles só querem destruir o que podem”, disse.

Se inscreva no nosso canal e acompanhe a programação ao vivo.

Compartilhe:

Matérias relacionadas