Crise Ucrânia: Rússia e Reino Unido se reunem para discutir crise com Ucrânia

EUA e União Européia temem invasão. Uma potencial invasão da Ucrânia pela vizinha Rússia seria sentida em vários mercados (Reuters)
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Ministros da Defesa da Rússia e do Reino Unido vão se reunir para discutir crise com Ucrânia. Segundo fontes oficiais, o encontro deve acontecer na próxima semana em meio à tensão na fronteira da Rússia e Ucrânia. EUA e União Européia temem invasão. O ministro da Defesa da Rússia, Serguei Shoigu, aceitou um convite para se encontrar com seu colega britânico Ben Wallace para discutir a crise na fronteira Rússia-Ucrânia, informou uma fonte de defesa do Reino Unido neste sábado (22).

Do lado britânico, “o ministro deixou claro que exploraria todos os caminhos para alcançar a estabilidade e resolver a crise ucraniana”, acrescentou a fonte, que especificou que ainda está “em comunicação com o governo russo” sobre os detalhes.

O anúncio da reunião bilateral acontece no momento de alívio entre o Ocidente e Moscou, que começou na sexta (21), após várias semanas de conversas em Genebra entre os chefes da diplomacia russa e americana, Serguei Lavrov e Antony Blinken.

Ambos concordaram em continuar as conversas “francas” na próxima semana, trazendo ao secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, a esperança de que uma invasão russa ou incursão militar na Ucrânia “não aconteça”.

O Ocidente acusa a Rússia de concentrar dezenas de milhares de soldados na fronteira para preparar um ataque. O Kremlin nega qualquer intenção bélica, mas condiciona a redução das hostilidades a tratados que garantam a não expansão da Otan, em particular para a Ucrânia, bem como a retirada da Aliança Atlântica do Leste Europeu.

Algo que os ocidentais consideram inaceitável e ameaçam a Rússia com duras sanções em caso de ataque.

Mercados

Uma potencial invasão da Ucrânia pela vizinha Rússia seria sentida em vários mercados, desde os preços do trigo e da energia e os títulos soberanos em dólar da região até ativos seguros.

Compartilhe:
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Matérias relacionadas