Destaques da Bolsa: Ação da Cielo (CIEL3) dispara; Rumo (RAIL3) cai após balanço

Confira os destaques desta sexta-feira (18)

O Ibovespa opera em queda, nesta sexta-feira (18), com o mercado atento às tensões entre Rússia e Ucrânia. 

Às 13h26, o Ibovespa caía 0,30%, cotado a 113.190 pontos.

A ação da Cielo (CIEL3) dispara mais de 14%, após a companhia informar a venda de sua participação na empresa norte-americana Merchant e-Solutions para uma unidade da Integrum Holdings.

Vale (VALE3) avança 0,46%, enquanto as siderúrgicas operam mistas. Já os papéis da Petrobras (PETR3;PETR4) caem 1,63% e 1,31%, respectivamente, em nova sessão negativa para o petróleo.

A Rumo (RAIL3) divulgou os resultados do quarto trimestre de 2021 nesta quinta-feira (17). A companhia registra queda de 6,95%. Taesa (TAEE11), que também publicou o balanço, sobe 1,85%. 

Confira os destaques desta sexta-feira:

Cielo (CIEL3)

A Cielo comunicou nesta sexta-feira, 18, que sua subsidiária nos Estados Unidos assinou na quinta-feira (17) um contrato para vender a Merchant E-Solutions para a Sam I, subsidiária da Integrum Holdings. 

O valor total da transação é de até US$ 290 milhões, que incluem uma parcela fixa de US$ 140 milhões paga no dia do fechamento e até US$ 150 milhões de uma parcela variável. 

“A transação faz parte da estratégia de crescente concentração da Cielo em seu core-business no Brasil, em linha com outros desinvestimentos concluídos ao longo de 2021”, afirma a Cielo em fato relevante. Segundo a empresa, a conclusão (closing) está sujeita ao cumprimento de condições precedentes.

Rumo (RAIL3) 

A Rumo registrou prejuízo líquido de R$ 384 milhões no quarto trimestre de 2021. Assim, a companhia reverteu o lucro de R$ 3 milhões no mesmo período de 2020. 

No ano, o lucro da empresa ficou em R$ 156 milhões, baixa de 48,9% em 12 meses. 

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) atingiu R$ 419 milhões, queda de 44,6% na comparação anual. 

A receita líquida foi de R$ 1,5 bilhão no 4T21. O número representa recuo de 9% ante o mesmo trimestre de 2020. 

3Tentos (TTEN3) 

A 3Tentos informou que registrou lucro líquido ajustado de R$ 228,9 milhões no quarto trimestre de 2021, aumento de 91,5% na comparação anual. 

No ano, o lucro da companhia foi de R$ 505,5 milhões, crescimento de R$ 78,7% em relação ao ano de 2020. 

A receita líquida somou R$ 1,6 bilhão no 4T21. O número representa avanço de 63,3% ante o mesmo trimestre do ano anterior. Em 2021, a empresa registrou receita líquida de R$ 5,3 bilhões, aumento de 71,7% em doze meses. 

O Ebitda (lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado ficou em R$ 177,3 milhões, recuo de 0,4% quando comparado com o quarto trimestre de 2020. 

Neoenergia (NEOE3)

A Neoenergia reportou lucro líquido de R$ 635 milhões no quarto trimestre de 2021, queda de 36% em relação ao mesmo período de 2020. No ano, o lucro da empresa foi de R$ 3,9 bilhões. O número representa crescimento de 40% ante o ano anterior. 

O Ebitda (lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ficou em R$ 2,4 bilhões no 4T21, aumento de 15% em comparação com o mesmo trimestre de 2020. 

Já a receita líquida somou R$ 11,3 bilhões no trimestre, avanço de 14% quando comparado com o 4T20. 

BR Properties (BRPR3)

A BR Properties registrou prejuízo líquido de R$ 47 milhões no quarto trimestre de 2021, revertendo o lucro do mesmo período de 2020.

O lucro líquido registrado no ano de 2021 foi de R$ 32 milhões. Segundo a companhia, o resultado foi “impactado pelo efeito não caixa da reavaliação do valor das propriedades representando uma perda de R$ R$ 66,5 milhões”. 

A receita líquida no 4T21 somou R$ 81,9 milhões, recuo de 2% quando comparada ao quarto trimestre de 2020. Já no acumulado do ano, a receita líquida foi de R$ 326,3 milhões, aumento de 4% na comparação anual. 

Já o Ebitda (lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado ficou em R$ 53,7 milhões, queda de 15% ante o ano anterior. 

Se inscreva no nosso canal e acompanhe a programação ao vivo.

Com Reuters e Estadão Conteúdo

Compartilhe:

Matérias relacionadas