Destaques da Bolsa: Ação da Cielo (CIEL3) cai 6% após balanço do 4T21

Confira os destaques desta quinta-feira (3)

O Ibovespa fechou em queda, nesta quinta-feira (3), com o mercado repercutindo a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) em aumentar a taxa Selic para 10,75% ao ano. 

O Ibovespa, principal índice da bolsa brasileira, fechou em queda de 0,18%, cotado a 111.695,94 pontos.

O papel da Cielo (CIEL3) registrou perdas de 6,01%, após a divulgação dos resultados do quarto trimestre de 2021. 

Acompanhando o recuo do petróleo, Petrobras ON (PETR3) caiu 1,07% e Petrobras PN (PETR4) teve baixa de 1,38%.

Vale (VALE3) recuou 0,05%, CSN (CSNA3) -1,67%, Gerdau (GGBR4) -0,76%, Metalúrgica Gerdau (GOAU4) -0,51% e Usiminas (USIM5) -2,59%. 

Estão entre as maiores altas: Ultrapar (UGPA3) subiu 3,20%, liderando o Ibovespa. Americanas (AMER3) também teve alta de 2,53%

Confira os destaques desta quinta-feira:

Cielo (CIEL3) 

A Cielo reportou lucro líquido consolidado de R$ 336,9 milhões no quarto trimestre de 2021. O número representa avanço de 13% em comparação ao mesmo período de 2020, informou a companhia nesta quarta-feira (2). 

Já a receita líquida foi de R$ 3,14 milhões no 4T21, aumento de 3,9% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior. 

O Ebitda (Lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) consolidado registrou R$ 789,5 milhões, crescimento de 2,8% ante o quarto trimestre de 2020. 

Petrobras (PETR3;PETR4)

A Petrobras vê a possibilidade de pagar dividendos em nível “muito maior” do que no passado, após ter atingido o que considera um patamar de “dívida ótima”, afirmou nesta quinta-feira o diretor executivo Financeiro e de Relacionamento com Investidores, Rodrigo Araujo.

A empresa bateu sua meta de endividamento bruto de menos de 60 bilhões de dólares no terceiro trimestre do ano passado, antecipando o que antes estava previsto para 2022. A conquista permitiu uma revisão em sua política de dividendos.

JBS (JBSS3) 

A JBS concordou em pagar 52,5 milhões de dólares para encerrar litígios que acusam frigoríficos de conspirar para limitar a oferta no mercado de carne bovina dos EUA, a fim de inflar os preços e aumentar o lucro.

O acordo preliminar da empresa brasileira e suas unidades nos EUA com os chamados compradores diretos foi divulgado na terça-feira e é o primeiro em litígio antitruste nacional sobre fixação de preços de carne bovina.

Os advogados dos compradores chamaram o acordo de “quebra-gelo” e uma excelente recuperação, citando o acordo de 24,5 milhões de dólares da JBS em 2020 sobre a fixação de preços alegada por compradores de carne suína.

Em nota, a JBS disse que não admitiu responsabilidade, mas que o acordo era de seu interesse. A empresa também disse que se defenderá de acusações de fixação de preços de carne bovina por outros demandantes.

Com Reuters 

Compartilhe:

Matérias relacionadas