Copom eleva a taxa Selic para 10,75% ao ano

Essa é a primeira vez em quatro anos e meio que a Selic recupera os dois dígitos

O Comitê de Política Monetária (Copom), do Banco Central, aumentou em 1,5 ponto percentual a taxa básica de juros, a Selic, nesta quarta-feira (2). Assim, a taxa passa de 9,25% para 10,75% ao ano. 

De acordo com o Banco Central, o principal objetivo é conter a pressão inflacionária. Essa é a primeira vez em quatro anos e meio que a Selic recupera os dois dígitos. 

A decisão já era esperada pelo mercado financeiro. Especialistas avaliam que o Banco Central continuará elevando a taxa nos próximos meses. Segundo o último Boletim Focus divulgado, é esperado que a Selic encerre o ano em 11,75%. 

“Apesar do desempenho mais positivo das contas públicas, o Comitê avalia que a incerteza em relação ao arcabouço fiscal segue mantendo elevado o risco de desancoragem das expectativas de inflação e, portanto, a assimetria altista no balanço de riscos. Isso implica maior probabilidade de trajetórias para inflação acima do projetado de acordo com o cenário de referência”, diz em nota.

Segundo o Copom, o cenário externo segue menos favorável, assim, “a maior persistência inflacionária aumenta o risco de um aperto monetário mais célere nos EUA, tornando as condições financeiras mais desafiadoras para economias emergente”.

Além disso, o Comitê citou a nova onda da Covid-19, que pode trazer mais incerteza quanto ao ritmo da atividade.

De acordo com o Copom, o Comitê antevê como mais adequada, neste momento, a redução do ritmo de ajuste da taxa básica de juros.

“O Copom enfatiza que os passos futuros da política monetária poderão ser ajustados para assegurar a convergência da inflação para suas metas, e dependerão da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos e das projeções e expectativas de inflação para o horizonte relevante da política monetária”, afirma o Comitê.

Compartilhe:

Últimas notícias

Matérias relacionadas