Ibovespa: As 5 maiores altas e baixas do mês de janeiro

Entre as altas, o destaque principal ficou para as ações da B3 (B3SA3), refletindo o grande fluxo de investidores estrangeiros

O primeiro mês de 2022 foi positivo para o Ibovespa. O índice teve uma alta de quase 7% (6,98%) no mês de janeiro, registrando, assim, a sua melhor performance mensal desde dezembro de 2020.

Entre as altas, o destaque principal ficou para as ações da B3 (B3SA3), refletindo o grande fluxo de investidores estrangeiros em janeiro, que entraram com R$ 21,072 bilhões na Bolsa. O montante é resultado de compras acumuladas de R$ 264,110 bilhões e vendas de R$ 243,038 bilhões.

No caso da Hapvida (HAPV3), a alta reflete a combinação de negócios com a NotreDame Intermédica (GNDI3). No dia 14, a empresa, formada pela fusão das duas companhias de saúde, passa a ser negociada com o ticker HAPV3.

As ações dos bancões Itaú (ITUB4) e Bradesco (BBDC4) também se destacam, com altas de 21,02% e 18,81%, respectivamente. Em relatório, o Itaú BBA elevou sua recomendação para as ações do Bradesco, afirmando que vê os grandes bancos bem-posicionados para surfar este ambiente mais volátil.

“A preferência pelos incumbentes aumenta quando os comparamos com os bancos digitais, que devem mostrar neste ano uma desaceleração no ritmo de crescimento”, divulgaram os analistas.

Em penúltimo, a Azul (AZUL4) aparece com uma alta de 19,91%, apesar da variante ômicron elevar os temores sobre a recuperação setor aéreo.

Veja a tabela com as 5 maiores altas do Ibovespa:

EmpresaCódigoCotaçãoVariação
B3B3SA3R$ 14,62+31,83%
HapvidaHAPV3R$ 12,66+21,97%
ItaúITUB4R$ 25,33+21,02%
AzulAZUL4R$ 29,21+19,91%
BradescoBBDC4R$ 22,80+18,81%

AS MAIORES QUEDAS

Já entre as baixas, o destaque negativo fica para as ações da Locaweb (LWSA3), que teve uma queda de 21,66% nos papéis, cotado a R$ 9,70. A empresa segue a baixa do setor de tecnologia, que reflete as perspectivas de aumento na taxa de juros.

Essa baixa no setor Tech ocorre por conta das companhias fazerem mais dívida para financiar sua expansão. Ou seja: se os juros sobem, a dívida aumenta, o que impacta o resultado da empresa.

Em seguida, os papéis da Alpargatas (ALPA4) aparecem com queda de 21,11%, também impactados pela cenário de alta de juros. Segundo os analistas do BBI, a a inflação de preços de matérias-primas impulsionária uma pressão de margem no setor varejista. Alpargatas poderá ser uma das companhias que sofrerá o impacto.

As ações do IRB (IRBR3) foram impulsionadas pelo resultado da companhia em novembro. No período, a companhia registrou um prejuízo líquido de R$ 113,8 milhões, frente às perdas de R$134,8 milhões em novembro de 2020.

Com queda de 18,17%, a Embraer (EMBR3) foi impactada pela preocupação diante à variante ômicron. Já a Braskem (BRKM5) registrou baixa de 14,68%, após a Petrobras e a Novonor cancelarem a oferta pública secundária de ações da companhia.

Veja a tabela com as 5 maiores quedas do Ibovespa:

EmpresaCódigoCotaçãoVariação
LocawebLWSA3R$ 9,70-21,66%
AlpargatasALPA4R$ 29,08-21,11%
IRBIRBR3R$ 3,27-18,66%
EmbraerEMBR3R$ 20,31-18,17%
BraskemBRKM5R$ 49,17-14,68%

Se inscreva no nosso canal e acompanhe a programação ao vivo.

Compartilhe:

Últimas notícias

Matérias relacionadas