Destaques da Bolsa: Setor de varejo e commodities registram em alta

Confira os destaques desta quarta-feira (18)

O Ibovespa opera em alta, nesta quarta-feira (19), puxado pelas ações de varejo e commodities. 

Às 12h40, o Ibovespa subia 1,49%, cotado a 108.252 pontos.

O setor de varejo registra forte alta: Americanas (AMER3) sobe 10,16%, Lojas Americanas (LAME4) +9,06%, Magazine Luiza (MGLU3) +9,85% e Via (VIIA3) 8,80%. 

Em destaque também estão as empresas ligadas a commodities, como Vale (VALE3) que tem alta de 1,98%, CSN (CSNA3) +2,71%, CSN Mineração (CMIN3) +2,50%, Gerdau (GGBR4) +1,47%, Metalúrgica Gerdau (GOAU4) +1,86% e Usiminas (USIM5) +2,42%. 

Já as ações da Petrobras (PETR3;PETR4) avançam 0,78% e 1,11%, respectivamente. PetroRio (PRIO3) sobe 1,51%. 

Após forte queda na véspera, Locaweb (LWSA3) registra alta de 11,08%, liderando o índice. 

Entre os destaques negativos estão: Embraer (EMBR3) com queda de 1,32%, Bradesco PN (BBDC4) tem perdas de 1,03% e Cogna (COGN3) tem baixa de 1,78%.

Confira os destaques desta quarta-feira:

Petrobras (PETR3;PETR4)

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) abriu uma investigação para apurar “possível abuso de posição dominante, por parte da Petrobras, no mercado de combustíveis”, conforme a assessoria do órgão confirmou à Reuters nesta terça-feira.

A estatal tem até 21 de janeiro para prestar esclarecimentos acerca do aumento dos preços da gasolina e do diesel anunciados pela companhia na semana passada.

A Superintendência-Geral do Cade faz uma lista de questionamentos à Petrobras, como custo mensal para importação e exportação de petróleo e para cada derivado, política remuneratória e de participação de lucros e resultados de diretores e funcionários da empresa e a composição do preço de paridade de importação (PPI) entre janeiro de 2017 e dezembro de 2021.

Equatorial (EQTL3) 

A Equatorial informou nesta terça-feira que avalia a possibilidade de realizar uma eventual oferta pública de ações ordinárias, e que já iniciou o processo de engajamento de instituições financeiras.

O fato relevante da elétrica foi divulgado após notícias de que a companhia está se preparando para levantar cerca de 3,5 bilhões de reais por meio de um follow-on.

No comunicado, a Equatorial reforçou, porém, que até o momento não definiu nem teve a aprovação do conselho de administração sobre “a efetiva contratação dos coordenadores, a realização da potencial oferta, seus termos e condições, inclusive montantes envolvidos e seu cronograma, ou outras possíveis operações para captação de recursos”.

Sinqia (SQIA3) 

A produtora de softwares para o sistema financeiro Sinqia anunciou nesta terça-feira a compra do controle da gestora de riscos para administração de recursos Lote45.

Pelos termos da operação, a Sinqia pagará 79,5 milhões de reais em dinheiro pra ficar com 52% do capital da Lote45, sendo que uma parcela adicional poderá ser paga dependendo da receita líquida de 2022. Haverá a opção de adquirir os outros 48% em até cinco anos.

Neoenergia (NEOE3) e WEG (WEGE3) 

A Neoenergia e a WEG anunciaram nesta terça-feira uma parceria no segmento de infraestrutura para veículos elétricos.

A companhia catarinense de máquinas e equipamentos será a fornecedora exclusiva de soluções de recarga para a Neoenergia, que detém uma frota própria de carros elétricos e também faz revenda de estações de recarga para clientes empresariais, comerciais e residenciais.

O acordo entre as empresas prevê o fornecimento de equipamentos produzidos nacionalmente pela WEG com potências de 7,4 kilowatt (kW), ideal para residências ou condomínios, e de 22 kW, mais adequado a empresas ou comércios.

O ecossistema de soluções fornecido pela WEG inclui ainda uma plataforma de gestão para cobrança ou rateio do consumo de cada usuário, acesso controlado via cartões de proximidade e um sistema para controle de demanda.

Oi (OIBR4) 

A Oi fechou acordo para comprar 20% da geração de energia da usina de biogás construída em Seropédica (RJ) pela Eva Energia. A planta está começando a operar este mês e vai ser inaugurada oficialmente em fevereiro. Pelo contrato, a Eva vai fornecer 8,76 GWh por ano, energia suficiente para atender 6.000 domicílios.

A estimativa é de que a planta gere uma economia mensal de 40% nas contas de luz da Oi, garantindo uma redução de custo da ordem de R$ 2,5 milhões ao ano.

“Com a aquisição, a Oi passa a contar com biogás entre as fontes renováveis que compõem sua matriz de energia, ao lado de biomassa, solar e hídrica”, informou a companhia.

*Com Reuters e Estadão Conteúdo

Compartilhe:

Últimas notícias

Matérias relacionadas