Petrobras avança em tecnologia de separação de gás com CO2 do petróleo no fundo do mar

A contratação teve início após conclusão de avaliações conceituais e testes-piloto em terra
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

A Petrobras, operadora do consórcio de Libra, planeja contratar até agosto fornecedores para a realização de projeto, construção, instalação e testes com tecnologia que busca separar e reinjetar, ainda no fundo do mar, o gás com elevado teor de CO2 que é produzido junto com o petróleo.

A expectativa é que tal tecnologia, denominada HISEP® e patenteada pela petroleira, permita um aumento de produção, redução de custos e a abertura de novas fronteiras exploratórias e de desenvolvimento da produção, pontuou a empresa, em nota à imprensa.

A contratação teve início após conclusão de avaliações conceituais e testes-piloto em terra. Nesses testes, a Petrobras e as empresas fornecedoras trabalharam em parceria na execução de estudos conceituais e na validação do desempenho das bombas submarinas que farão a reinjeção do gás rico em CO2 no reservatório.

O teste-piloto no mar está previsto para ser realizado na área de Mero 3, no bloco de Libra, no pré-sal da Bacia de Santos, que deverá entrar em produção em 2024.

“A expectativa é de que a fabricante seja selecionada até agosto/2022 e que o equipamento seja instalado em 2025”, disse a petroleira estatal.

O aumento da produção a partir da tecnologia, segundo a companhia, seria possível ao liberar espaço na planta de processamento de gás de superfície.

Além disso, a tecnologia poderá abrir novas fronteiras em águas profundas e ultra profundas, em regiões onde há fluidos de reservatório com razão gás-óleo e teor de CO2 elevados.

EXPANSÃO TECNOLÓGICA

A Petrobras pontuou que, após dois anos de testes, com a comprovação da tecnologia, ela poderá ser utilizada em outras áreas, como Libra Central e Júpiter, onde a inovação tem o potencial de viabilizar o projeto de desenvolvimento da produção.

Uma vez comprovada a tecnologia HISEP®, será possível também desenvolver unidades de produção offshore com plantas de processamento de gás menores e menos complexas, que possuem menores custos e prazos de construção, bem como menores custos de operação.

O Consórcio de Libra é operado pela Petrobras (40%), em parceria com a angloholandesa Shell (20%), a francesa Total (20%) e as chinesas CNPC (10%) CNOOC (10%), tendo como gestora a Pré-Sal Petróleo S.A (PPSA).

Compartilhe:
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Matérias relacionadas