Café robusta avança na ICE com chuvas desacelerando colheita no Vietnã

O açúcar branco para março fechou sem mudanças a 511,20 dólares a tonelada
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Os contratos futuros do café robusta de Londres na ICE subiram nesta quinta-feira, um dia depois que o arábica de Nova York atingiu sua máxima em 10 anos, diante de persistentes problemas de oferta no maior produtor de robusta, Vietnã.

Os mercados dos Estados Unidos estavam fechados para o feriado de Ação de Graças.

CAFÉ

  • O café robusta para janeiro fechou em alta de 0,5% a 2.292 dólares a tonelada.
  • Os grãos de café frescos da colheita de 2021/22 do Vietnã (outubro a setembro) ainda não chegaram porque as chuvas nas principais áreas de cultivo e a escassez de colhedores de cereja interromperam o processamento do grão, disseram os traders.
  • Olhando mais adiante, operadores citaram um relatório do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos que previa um aumento nas exportações de café verde do Vietnã para 22,9 milhões de sacas em 2021/22, alta de 4,5% no ano.
  • O café arábica para março fechou em alta de 1,4% a 2,4540 dólares por libra-peso na quarta-feira, após atingir o pico a 2,4755 dólares, a máxima desde outubro de 2011.
  • O arábica continua pressionado por preocupações com os pedidos em atraso no transporte de contêineres no Brasil, receios sobre inadimplências nas entregas dos fazendeiros e queda nos estoques certificados pela ICE.

AÇÚCAR

  • O açúcar branco para março fechou sem mudanças a 511,20 dólares a tonelada.
  • Operadores disseram que o mercado voltou a entrar na faixa de negociação e ficará quieto até o início da semana que vem.
  • O açúcar bruto para março fechou em queda de 0,9% a 19,93 centavos de dólar por libra-peso na quarta-feira.
  • O Citi elevou sua previsão de preço médio do açúcar para 2022 de 19,5 centavos de dólar para 20,3 centavos, citando o aperto persistente do mercado ao longo da temporada de 2022/23, o fenômeno climático La Niña afetando a produção do Brasil e as baixas exportações da Índia.

Se inscreva no nosso canal e acompanhe a programação ao vivo.