“É claro que tem jogo por trás”, diz Alexandre Cabral sobre retirada de Touro de Ouro da B3

O professor, Alexandre Cabral, e o analista, Alan Ghani, avaliaram sobre decisão de retirar o "símbolo" da frente da Bolsa de Valores
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Ontem, foi determinado pela Comissão de Proteção à Paisagem Urbana (CPPU) que o Touro de Ouro precisará ser retirado da frente da B3. Em entrevista exclusiva à BM&C News, o professor Alexandre Cabral disse, nesta quarta-feira (24), não concordar com a decisão. “Sou a favor da existência dele, eu acho que dá turismo e revitaliza o centro”, explicou.

Em uma análise mais polêmica, o professor deu um exemplo para explicar seu ponto de vista: “Estou querendo fechar uma empresa, está tudo pago na prefeitura, estou há 20 dias úteis pedindo autorização para fechar uma empresa que não emite nota fiscal há 3 anos e o Touro resolveu em 24 horas. É claro que tem jogo por trás”, pontuou.

O analista Alan Ghani, disse concordar com Cabral, mas que discorda da forma como foi feita a implantação do “símbolo”: “O que deveria ser feito: pegar todas as corretoras, junto com a B3 e com o dinheiro de todo mundo. Assim acho legal para o patrimônio da cidade e concordo absolutamente com o Cabral que isso gera turismo”, destacou.

Confira a análise na íntegra:

Se inscreva no nosso canal e acompanhe a programação ao vivo.