‘Agilidade do BC traz credibilidade à política monetária do Brasil’, diz CEO do Banco ABC

Além disso, Sergio Lulia Jacob pontua que a instituição financeira está bem posicionada para apresentar crescimento nos resultados de 2022
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Presente no evento ‘APIMEC ABC Day’, realizado pelo Banco ABC Brasil (ABCB4) nesta quinta-feira (14), o CEO da instituição financeira, Sergio Lulia Jacob, destacou a atuação do Banco Central do Brasil em relação à inflação. Segundo ele, ela foi mais rápida do que a dos BCs mundiais.

“Obviamente um ambiente inflacionário não é benéfico para ninguém, mas estamos em uma realidade de inflação mundial. Está muito claro hoje que ela não está restrita ao Brasil. A vantagem é que nós temos um Banco Central independente, que agiu mais rápido do que o resto do mundo. Eu acho que isso traz credibilidade para a política monetária do Brasil e ancora bem as expectativas de inflação. Prova disso é que as perspectivas para o ano que vem estão absolutamente sob controle”, ressalta ele. 

Veja mais:

Sobre o ABC, Lulia aponta que, após a pandemia, o crescimento se apresenta de forma desigual, porém os segmentos que o banco apresenta maior representatividade, como os de infraestrutura, energia elétrica, agribusiness e imobiliário, são resilientes e se destacam.

“Na infraestrutura, por exemplo, há uma série de projetos. Isso independe de um cenário com um pouco mais de inflação, e mesmo com um crescimento um pouco mais baixo, esses segmentos continuam com ótimos projetos”, destaca. 

Sobre a agricultura, Sergio ressalta que ela segue pelo mesmo caminho: “O Brasil é muito competitivo no agro. Aliás, as commodities estão em preços mais altos do que os preços históricos. O setor tem tido uma rentabilidade excelente, ganho de produtividade e é um segmento que o ABC Brasil apoia a trinta anos e vai continuar apoiando”.

O CEO ainda pontua que, independentemente dos percalços mundiais por conta da retomada da Economia após a pandemia de Covid-19, o Banco ABC Brasil está bem posicionado para apresentar crescimento robusto nos resultados de 2022. 

PAGAMENTOS DE JCP TRIMESTRAIS

Ao ser questionado se o Banco pretende continuar com a política de pagamento de Juros sobre Capital Próprio trimestrais nos próximos anos, Sergio Borejo, CFO do Banco ABC Brasil, diz que a decisão é tomada anualmente. Desde o IPO, todo ano a instituição distribui dividendos no limite do JCP. 

“Não consigo ver porque haveria uma mudança disso neste momento, mas isso depende muito da necessidade de capital, do momento, do crescimento do Banco, das perspectivas de crescimento”, diz Borejo, destacando que no começo de 2022 será proposto e decidido pelo conselho se será mantido ou não.

MARGEM FINANCEIRA PARA 2022

No segundo trimestre deste ano, ​​a margem financeira do ABC totalizou R$ 345,7 milhões, o que representa um crescimento de 9,4% em relação ao trimestre anterior, e o oitavo trimestre consecutivo de expansão. 

Olhando para o futuro, Borejo comenta que, apesar de não poder dar um guidance dessa margem, ele acredita em um cenário de crescimento para a instituição financeira. 

“Temos uma linha que tem aumentado trimestre após trimestre. Em grande parte dela, o maior componente é a receita vinda dos clientes. Dado ao aumento dessa atividade, posso dizer que essa linha tende a crescer consistentemente nos próximos trimestres. Estamos muito otimistas com o contínuo crescimento dessa linha. Agora quanto ela vai chegar é muito difícil falar, porque vai depender dessa velocidade. Mas [uma coisa é certa], ela tende a continuar crescendo”, ressalta. 

FOCO NO AMBIENTE DIGITAL

Ainda em relação aos próximos passos, o CEO Sergio Lulia Jacob comenta a atuação massiva do Banco em relação à tecnologia, a fim de trazer uma diferenciação na oferta de serviço e no relacionamento com clientes, com foco na proximidade, produtos, especialização e consultoria.

Além disso, o foco também está na automação e digitalização dos processos, promovendo velocidade, produtividade e expansão da base de clientes e o número de transações. Para isso, houve um aumento na contratação da equipe de Tecnologia da Informação.

ESG COMO TEMA PRIORITÁRIO

O Banco ABC Brasil é comprometido com questões ambientais, sociais e de governança (conhecidas pela sigla “ESG”, em inglês). Sergio Lulia ressalta que a instituição vem trabalhando para evoluir em práticas e iniciativas que contribuam para um desenvolvimento sustentável das atividades.

“Estamos expandindo a agenda ESG e fortalecendo a governança interna e o aumento da transparência de práticas e iniciativas. Nós garantimos boa gestão de riscos socioambientais e estamos focados em ampliar apetite de impacto”, diz.

Segundo o CEO, o objetivo inclui ampliar os clientes para práticas mais sustentáveis e capturar negócios ambientais. Aliás, a pauta é um tema prioritário pela liderança da ABC Brasil.

Se inscreva no nosso canal e acompanhe a programação ao vivo.