Destaques da Bolsa: Ações da Vale e siderúrgicas sobem com minério

Confira os destaques desta sexta-feira (8)
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Destaques da Bolsa

O Ibovespa opera em alta, nesta sexta-feira (8), em sessão com números do mercado de trabalho norte-americano e o comportamento da inflação no Brasil sob os holofotes. 

 Às 12h55, o Ibovespa subia 3,09%, a 114.000 pontos.

Seguindo a alta do minério de ferro, Vale (VALE3) avança 1,23%, CSN (CSNA3) +4,66%, Gerdau (GGBR4) +1,97%, Metalúrgica Gerdau (GOAU4) +1,54% e Usiminas (USIM5) +5,77%.  

As ações da Petrobras (PETR3;PRT4) têm ganhos de mais de 2%. 

Os setores de shopping centers e varejistas registram alta após divulgação do IPCA, com destaque para Multiplan (MULT3), que avança 7,30% e Magazine Luiza (MGLU3) com forte alta de mais de 8,98%. 

Confira os destaques desta sexta-feira:

GPA (PCAR3)

A Cnova NV, braço de comércio eletrônico do varejista francês Casino, informou que decidiu adiar um plano anterior para levantar capital e não poderia mais confirmar a projeção financeira dada em junho devido às condições desafiadoras de negócios no terceiro trimestre.

Em junho, a Cnova revelou planos de levantar cerca de 300 milhões de euros até o final do ano com a venda de novas ações, para financiar o crescimento e aumentar sua proporção de ações livremente negociáveis.

A Cdiscount é totalmente controlada pela Cnova, que por sua vez é controlada pelo Casino, que detém participação de 65%. O brasileiro GPA, controlado pelo Casino Grupo, detém 34% na Cnova.

Veja mais:

Vale (VALE3) 

 A Vale informou que uma decisão judicial determinou o retorno imediato das atividades de mineração de Onça Puma, no Pará, que haviam sido paralisadas após a suspensão da licença de operação pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade.

Em decisão liminar, a juíza da 3ª Vara de Fazenda da Comarca de Belém determinou o restabelecimento da vigência e validade da licença de operação da mina e o retorno imediato das atividades de mineração, segundo a Vale, que obteve o resultado após impetrar um Mandado de Segurança.

BRF (BRFS3)

A BRF informou nesta sexta-feira (8) que está aprimorando seus processos internos para evitar fraudes digitais e que a área de Compliance da empresa investirá R$ 1,5 milhão até 2023 no Sykn, Software as a Service (SaaS), criado pelo Centro de Excelência (CoE) da Votorantim, que tem como objetivo criar abordagens preventivas e analisar cenários de risco.

A expectativa é de mitigar cerca de R$ 12,5 milhões em fraudes nos próximos dois anos, utilizando a tecnologia. Em operação desde agosto, o sistema possui uma capacidade 20 vezes maior para analisar dados, agilizando a identificação de irregularidades. Esse investimento é parte dos R$ 700 milhões que serão direcionados para iniciativas de transformação digital da companhia até 2025.

Camil (CAML3)

Em comunicado enviado ao mercado nesta última quinta-feira (07), a Camil (CAML3) registrou um lucro líquido de R$ 106,5 milhões no 2º trimestre deste ano, tendo uma queda de 23,2% na comparação com o mesmo período de 2020.

Segundo a empresa, essa queda de lucros ocorreu devido ao trimestre ser marcado pela redução no volume de vendas, além de uma forte base comparativa afetada pelo cenário da Covid-19 no segundo trimestre do ano passado.

O Ebitda, lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização, foi de R$ 191,1 milhões, baixa de 7,9%. Já a receita líquida somou R$ 2,2 bilhões, totalizando um avanço de 6,0%.

Azul (AZUL4)

A companhia aérea Azul anunciou nesta quinta-feira que o tráfego de passageiros em seus voos em setembro foi 120,1% maior do que um ano antes. Na comparação com setembro de 2019, quando o país ainda não tinha sido atingido pela pandemia da Covid-19, houve queda de 10,6%.

Considerando apenas os voos domésticos, a demanda por assentos em voos da Azul no mês passado cresceu 125,6% sobre um ano antes. Sobre setembro de 2019, houve alta de 8,7%.

Nos voos internacionais, a demanda em setembro foi 53,6% maior, mas caiu 78,5% contra o mesmo mês de 2019.

A taxa total de ocupação de aeronaves em voos da Azul em setembro foi de 79,4%, queda de 0,8 ponto percentual contra um ano antes e de 3,9 pontos ante setembro de 2019.

*Com Reuters e Estadão Conteúdo

Se inscreva no nosso canal e acompanhe a programação ao vivo.

VEJA MAIS