Petróleo tem recuo diário após payroll fraco, mas sobe na semana

petroleo
REUTERS/Christian Hartmann/Archivo

O petróleo fechou em queda nesta sexta-feira, 3, pressionado pela criação de empregos bem abaixo das estimativas nos Estados Unidos em agosto.

A semana, porém, foi de ganhos para a commodity energética, em meio à manutenção dos planos para a oferta pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+) e o furacão Ida, que impactou a produção na região do Golfo do México.

O barril do WTI com entrega prevista para outubro fechou em queda diária de 1,00% (-US$ 0,70) na New York Mercantile Exchange, a US$ 69,29. Já o do Brent para novembro teve baixa de 0,58% (US$ 0,42) na Intercontinental Exchange (ICE), a US$ 72,61. No acumulado semanal, os contratos avançaram 0,80% e 1,27%, respectivamente.

O Departamento do Trabalho americano informou hoje que foram criadas 235 mil contratações líquidas no mês passado, resultado que decepcionou o mercado ante a expectativa de geração de 750 mil empregos.

Veja mais:

“Normalmente, um relatório de emprego mais fraco do que o esperado coloca o dólar para baixo e apoia os preços das commodities”, mas hoje isso não ocorreu devido a preocupações de que o ritmo mais lento nas contratações represente um risco para a demanda pelo óleo no curto prazo, segundo avalia o analista de mercado financeiro Edward Moya, da Oanda, em relatório enviado a clientes.

A retomada das operações em refinarias na região do Golfo do México, após a passagem do furacão Ida, também pressionou os contratos mais cedo, de acordo com a Rystad Energy.

No restante da semana, o episódio ajudou a manter os mercados do petróleo em alta, junto à decisão da Opep+ de permanecer com seu plano de elevar em 400 mil barris por dia a partir de outubro sua oferta da commodity energética.

“A estabilidade da política do cartel está fornecendo a previsibilidade de longo prazo que os operadores precisam para cimentar os níveis atuais fortes do petróleo”, analisa o chefe para mercado de petróleo da Rystad Energy, Bjornar Tonhaugen, acrescentando que “nenhuma grande surpresa é esperada, a menos que haja uma mudança notável na trajetória da demanda”.

Já a Capital Economics comenta que a confirmação de que a Opep+ vai aumentar sua produção nos próximos meses fortalece a visão da consultoria de que o rali da commodity já atingiu seu pico.

Para a semana que vem, a casa avalia que dados da balança comercial da China, que saem terça-feira (07), serão cruciais para saber se as importações vão refletir as recentes baixas nos índices de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) do gigante asiático.

Se inscreva no nosso canal e acompanhe a programação ao vivo

Compartilhe:

Últimas notícias

Matérias relacionadas