Criptomoedas: Adoção global cresce 881% no último ano, diz relatório

Em comparação ao terceiro trimestre de 2019, o crescimento foi de 2.300%; principal motivo pelo aumento brusco foi a adoção das moedas em países emergentes
binance coin bnb group included with crypto currency coin dogecoin doge bitcoin btc ethereum eth stellar xlm symbol virtual blockchain technology future is money close up and macro concept

A adoção global de criptomoedas cresceu mais de 881% no último ano, de acordo com relatório preliminar divulgado pela empresa de análise de blockchain, Chainalysis. Em relação ao 3º trimestre de 2019, período pré-pandemia, esse aumento foi de 2.300%.

Leia mais:

O relatório chamado “2021 Cryptocurrency Adoption Index” destaca que diferente do esperado, o uso de criptomoedas é maior entre os países emergentes do que em nações mais desenvolvidas. Vietnã lidera com folga o ranking com índice 1,00, o maior número do índice.

Os países que completam o top 5 são:

  • Índia (0,37),
  • Paquistão (0,36),
  • Ucrânia (0,29)
  • Quênia (0,28).

“Nos países emergentes, as pessoas estão mais pré-dispostas ao risco e mais acostumadas à volatilidade. São lugares onde as criptomoedas, de fato, podem ter um impacto muito maior na vida das pessoas por conta da desigualdade e da dificuldade de acesso ao mercado financeiro, ao dinheiro, ao crédito ou às boas oportunidades de investimentos. Então, o mercado de cripto acaba se desenhando como uma alternativa bem atrativa, principalmente a esses mercados”, disse Helena Margarido, especialista em criptomoedas da Monet.

Ela também afirmou que o novo modelo será impossível de evitar no futuro. “Criptomoedas, na minha concepção, é uma tecnologia inevitável. Ela melhora serviços e aplicações. Torna a vida das pessoas melhor. (…) É uma questão de tempo, mesmo”, disse.

O Brasil ficou na posição 14 de um total de 154 países ranqueados, com índice 0,16. Comparado aos vizinhos sul-americanos, o país está atrás da Venezuela, que divulgou no começo do mês a criação de uma criptomoeda própria, a Bolívar Digital, e está na 7ª posição, com índice 0,25. Argentina (0,19) e Colômbia (0,19) completam.

Ranking de criptoativos
Ranking dos 20 países com maior adoção de criptomoedas

O Banco Central da Nigéria, que ocupa a 6ª posição, chegou a proibir que os bancos atendessem empresas que operassem com criptomoedas. Como consequência, houve uma corrida por criptoativos e, em determinado momento, a cotação do Bitcoin no país chegou a descolar do restante do mundo, observou Paulo Aragão, cofundador do CriptoFácil e host no Bitcast.

“Naturalmente, isso foi revisto pelo governo local, mas demonstrou a força que os criptoativos possuem em economias mais fracas. Para a população é a única forma possível de fugir de uma inflação galopante que destrói o poder de compra”, disse Aragão.

Ele comentou ainda sobre a posição do Afeganistão (20º) em relação à adoção de criptomoedas. Segundo Aragão, é possível que nos próximos meses haja um aumento na utilização de criptoativos no país afegão devido a todas as instabilidades políticas e econômicas que a nação vive.

Estados Unidos e China caem no ranking

As duas maiores economias do mundo caíram no ranking deste ano. Em 2020, os Estados Unidos estavam em sexto. Este ano, entretanto, ocupam a 8ª posição. A China, por sua vez, foi de quarto para a 13ª colocação do ranking.

O principal motivo pela queda desses dois países foi uma das metodologias, o volume de transação P2P, ou pessoa por pessoa. O país asiático foi da posição 53 para 154, enquanto os EUA foram de 16º para a 109ª posição.

O volume de transação P2P das duas nações caminhavam juntas em relação com as transações do resto do mundo. A partir de junho de 2020, essa atividade aumentou nos outros países, enquanto China e Estados Unidos mantiveram os níveis.

Metodologias

Para a composição do ranking e do relatório, a Chainalysis usou três metodologias principais e colocou em uma escala de 0 a 1, semelhante em relação a outros índices, como o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) e o Índice Gini.

A primeira trata-se da atividade total de criptomoedas. Para realizar uma diferenciação em caso de similaridades, o índice pondera o valor com base na Paridade de Poder per capita (PPC), que mede a riqueza do país por residente.

A segundo baseia pela quantidade individual de transações das criptomoedas, e são pensadas envios abaixo de US$ 10 mil. Já a terceira é sobre o volume de trocas P2P, ou pessoa por pessoa.

O relatório completo será disponibilizado em setembro, com mais informações e detalhes.

Se inscreva no nosso canal e acompanhe a programação ao vivo.

Compartilhe:

Últimas notícias

Matérias relacionadas